Postagens

LIVROS LIDOS DURANTE ISOLAMENTO PELA PANDEMIA – março 2020 - agosto 2021

1 – No País das Sombras Longas – Hans Ruesch 2 – De Volta ao País das Sombras Longa    - Hans Ruesch 3 – Travessuras da Menina Má – Mario /Vargas Llosa 4 – 10% Humano – Alanna Collen 5 – Pandemias – a Humanidade em Risco 6 – Garimpo das Almas – Stepan Nercessian 7 – Pantaleão e as visitadoras (releitura) – Mario Vargas Llosa 8 – A Peste – Albert Camus 9 – Tudo pode Ser Roubado – Giovaqna Mandelosso 10 – O Avesso e o Direito - Albert Camus 11 - O Vendedor de Passados – José Eduardo Aqualusa 12 –A    Ladeira da Memória – José Geraldo Vieira 13 - Três contos de Sagarana – Guimarães Rosa 14 – Brás – Rapaziada do Brás – Thais Cantero 12 – Antes que a Natureza Morra – Jeas Dorst 13 - A Vida pela Frente - Emile Ajar 14 – Notas sobre a Pandemia – Yuval Harari 15 – Nunca Houve um Castelo – Martha Batalha 16 - A Vida Invisível de Eurídice Gusmão   - Martha Batalha 17 – O Amor nos tempos do /cólera (releitura) Gabriel /Garcia Marques 18 – Brasil – Paraiso Restaurável - Jorge Caldeira 19 – Luiza –

DIÁRIO DO MEU SEMI ISOLAMENTO – PARTE 12

  Começando no final de agosto e tem esse nome porque restrições começam a ser menores, afastamento social diminui e sabendo guardar os devidos cuidados permite um contato maior entre pessoas. Chego a receber duas a três pessoas com todo os cuidados. Na minha opinião, restrições diminuídas antes do tempo. A pandemia continua. ROTINAS – Não vou acrescentar as rotinas porque elas continuam ROTINAS. As da manhã continuam as mesmas de sempre.  Como não dá tempo de ler tudo o que me interessa, sempre recorto o que eu quero ler mais tarde e acumulo perto da mesa. De tempos em tempos faço uma “limpeza” e jogo fora o que já saiu do meu interesse ou já está ultrapassado. Só agora neste tempo de frio me recolho mais cedo e faço como rotina estar no quarto pelas 21 horas e ler pelo Kindle até 22h quando vou para a cama mesmo. Com muitos cobertores nesses dias de frio maior, não sinto frio  à noite porque  fico como envolvida pelas cobertas.   ATIVIDADES DOMÉSTICAS – Também não vou repet

DIÁRIO DO MEU ISOLAMENTO - PARTE 11 - meses maio e junho

Começando atrasada. Deveria ter começado no final de junho. Por que não? Dias de muito frio, sofro isso com isso e acabo por fazer coisas que tenho mais atividade física. Acho que já expliquei, mas repito. Moro em um espigão da cidade e a sensação térmica aqui é de cinco graus a menos do que o registrado e em um 10º andar o vento ajuda. E eu, estou um ano mais velha neste inverno que chegou cedo, porque tenho menos massa muscular. Vivo encasacada. Roupa de frio tenho muita, porque, seguindo o que faço anualmente, guardo toda a roupa de frio no verão e a retiro para uso no inverno. São sempre as mesmas, mas longe da vista por um ano, elas retornam como “novas” tanto no inverno quanto no verão. Neste inverno, tenho muita roupa de inverno com malhas comprada há pelo menos cinco anos e casacos até mais “velhos”. E saindo quase nada, elas são sempre “quase novas” Para ficar em casa também, são quase novas, mas sempre as mesmas, inclusive s de dormir. Os cobertores também saem do armário

EU E A POESIA

Poesia não é minha praia. Não me ligo muito a esse tipo de literatura. Corrigindo:   tipo de poesia mais moderna. Procuro uma explicação. Durante os muitos e muitos anos de vivência, no meu subconsciente estão marcados o que eu conhecia como “poesia” : ritmo, rimas, métrica. ... Penso em poesia e me vem à memória o que minha tia Nena me ensinou quando eu tinha uns 2 a 3 anos. (1932-33). Já em 2000 ela me repetiu e eu transcrevi. MEU BRASIL Como são lindos, os passarinhos que tem seus ninhos nos palmeirais] Cantam nas matas, mil alegrias, E melodias sentimentais   Como são belas, as borboletas Que irrequietas, de flor em flor Num voo constante, em torno dela Sobre as mais belas, se vão dispor   Terra de sonhos, tardes amenas, Noites serena, terra gentil Que formosura, quanta beleza Na Natureza, tens ó Brasil!!!!   E mais tarde, quando eu já tinha uma irmã, meu pai nos cantava duas trovas espanholas: Se quieres que te cante                la Se