segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

“MINHA” PRAÇA NA CIDADE


“MINHA” PRAÇA NA CIDADE
Toda cidade tem praças e São Paulo tem muitas. Todos os bairros tem praças e a Lapa tem algumas. Todo mundo tem uma praça que chamam de sua. Eu tenho a “minha”’ também.
É a que fica mais perto da minha casa, aquela por onde passo até mais de uma vez por dia e a que tomo como referência. Ela fica rodeada de algumas ruas que a limitam e rodeiam.: Heitor Penteado que se continua como Rua Aurélia, Rua Cerro Corá, Rua Sepetiba e Rua Ajuricaba.


                                                           
Não é uma praça plana como a maioria. Não tem uma igreja que a identifica, como são muitas. Mas, ela tem suas características: é muito ingrime e está coalhada de quaresmeiras.

O seu grande declive se explica:  Enquanto a primitiva São Paulo era delimitada pelos rios Tamanduateí e Anhangabaú, a cidade atual tem os rios Tietê e Pinheiros como  rios de referência.  São eles que delimitam  o centro expandido da cidade, aquela região de rodízio de carros.

Rios Tietê e Pinheiros  formaram seus vales  pela erosão das camadas da bacia de rocha sedimentar  sobre a qual se assenta a cidade.   Entre os dois vales ficou o espigão resistente à erosão.

Esse espigão é visivel desde a Avenida Paulista, continua com a Av. Dr, Arnaldo, com  a Rua   Heitor Penteado (com alguns altos e baixos) e ainda com a Rua Cerro Corá. São pontos altos da cidade. Tudo o que fica à esquerda ou à direita dessas ruas é íngreme com declives mais ou menos acentuados. Em alguns lugares, verdadeiras “pirambieras” que necessitam até escadas para serem vencidas.

Essas ruas dividem os vales do rio Tietê  e do rio Pinheiros. E dividem bairros também.  Na rua Cerro Corá  (minha rua) a calçada  de números pares pertence à Lapa e a calçada de números ímpares pertence à Pinheiros. Assim, meus vizinhos de frente estão em bairro diferente.
E a “minha” praça que é a Praça Amadeu Decome, mostra bem esse declive.


Nessa praça tem escadas, mas esqueceram dos corrimões. Ninguem  que tenha alguns anos a mais se arrisca nessa descida. Por favor, lembrem-se dos idosos e coloquem corrimões.
E ela é linda pelas quaresmeiras que tem. É apenas Carnaval e as quaresmeiras , que deveriam florir na quaresma, já estão floridas há um bom tempo. Algumas flores já estão até murchando. Vistas de longe elas dão um colorido entre o rosa, o lilás e até o vermelho pálido.


Nem sempre ela foi assim bonita e colorida. A foto feita por Catimari Durce Miglioransa mostra a praça na década de 70. Já se vêm as quaresmeiras á esquerda.


A Praça Amadeu Decome faz parte de um grupo de 3 praças que constituem o Movimento BOA PRAÇA . Este movimento  é uma iniciativa de moradores dos bairros Alto de Pinheiros, Lapa, Vila Romana e Vila Anglo que buscam uma cidade mais humana, com vizinhos que se conheçam e praças cheias de vida...
Essa história começou quando Alice, que completaria 4 anos, quis comemorar seu aniversário na praça. Como estava deteriorada, sua mãe teve a ideia de trocar presentes por um  parquinho novo  numa das praças . Amigos, parentes, vizinhos, empresas locais e a subprefeitura se uniram para que esse desejo fosse realizado.
Essa experiência despertou os moradores da região, que começaram a se mobilizar para movimentar a praça com piqueniques comunitários todo último domingo do mês. A idéia? Mobilizar as pessoas para revitalizar e ocupar as praças, devolvendo a elas seu sentido inicial: de lugar de encontro, diversão, debate e inclusão.


                              Vejam um pic nic comunitário na praça Amadeu  Decome
                             Isto é a "minha" SãoPaulo"


2 comentários:

Célia disse...

Pedaços incríveis de São Paulo... só podem ser captados por olhos sensíveis como os seus, Neuza! Linda praça! Abraço, Célia.

Wilma disse...

Dona Neuza, cadê a resposta do Desafio?
Essa praça é bem bonita mesmo, diferente e ainda tem uma boa história!!