DIÁRIO DO MEU ISOLAMENTO – PARTE 7

Depois de escrever seis partes do meu isolamento – do dia 13 de março até 30 de setembro – mais de seis meses, resolvi organizar melhor essas anotações. Vou agrupar por atividades: Rotinas – Atividades Domésticas, Atividades profissionais, Cursos -Relações com amigos.......
 
ROTINAS – são rotinas e continuam rotinas. Não mudam porque são necessárias para começar o dia. principalmente o “bom dia” para quem estiver na portaria, para garantir que sobrevivi à mais uma noite. Ginástica é necessária porque não saindo de casa ando menos que precisaria e preciso preservar minha mobilidade. Agora nas terças feiras com Doralice voltando aos poucos posso passar um dia na semana totalmente ligada ao meu trabalho. Pagamentos são os rotineiros sempre feitos virtualmente.
 
ATIVIDADES DOMÉSTICAS – na cozinha todo dia Às vezes perco a paciência e deixo louça acumular. Mas prefiro não.  E estou sempre com as mãos na água. E reservo um dia só para cozinhar coisas que podem ficar no freezer separada em potinhos. Um dia fiz uma peixada  que me deu alguns potinhos e outra uma panelada de arroz com todos os legumes disponíveis  que  dividi em muitos potinhos . Servem de base para a montagem de um prato balanceado. Sempre como fruta e tomo leite demais.  Acho que estou nutricionalmente bem assistida.
 Um dia me obriguei a sair com a Paula até o Supermercado mais para testar a minha mobilidade e comportamento. Não gostei da experiencia. Estou mesmo mais devagar, menos ágil nas atividades e acompanhar Paula com sua vitalidade, agilidade e rapidez   foi difícil. Bom para minha avaliação. Tenho meu tempo agora, muito mais devagar. Quando fui com Flavio no SM fiz tudo no meu ritmo e, me avaliei positivamente.
Problema de vazamento no ap de baixo - procurei por seguro que pago mensalmente, mas dependo de outro e em uma semana nada resolvido. Fiz minha parte.
 
ATIVIDADES PROFISSIONAIS – Convite para uma conversa em uma Comunidade Judaica acontecido no dia 3 de outubro. Estudei bastante sobre Israel, sua história...Entrevistada por um rabino, quando tive que falar um pouco de minha vida  até os 90 anos dei especial atenção à -na época judeus-  que  marcaram na minha vida – no curso ginasial quando na terceira série  um prof. que moldou meu gosto pela Ciências foi Abraão Korkes.  No Científico o prof. de Física Max Gevertz durante 3 anos me abasteceu de conhecimentos básicos de Física e depois, quando eu já estava na Faculdade me ofereceu meu primeiro emprego: aulas em um cursinho para vestibular. Cesar Ades meu guru nas Memórias sobre a Glette e ultimamente Yuval Noah Harari um modernos historiador e pensador cujos conhecimentos dão visão abrangente sobre a atual pandemia e suas consequências. Li seu último livro NOTAS SOBRE A PANDEMIA e fiz uma indexação para me atualizar mais. 
Novos cursos da Casa Séfora de Natal (RN) onde eu e Telma apresentamos os Encontros para Resgate de Memória Autobiográfica. Como é uma versão reduzida de 16 para 8 temas dependo de mais imagens e dá bastante trabalho filtrar as mais adequadas para o ppt das aulas.
As participantes não são assíduas, muitas desistem e acabamos por trabalhar a mesma coisa para menos pessoas pagantes. E ainda tenho que ler todas as tarefas para comentários fora dos horários das aulas. Conseguimos terminar um curso de 8 temas e outro na metade. Programado mais um este ano.
Reencontro com a turma da USP 60+ que foi a turma de transição presencial – virtual. Quase todo compareceram e foram duas horas de prazer compartilhado. E dá para perceber quando esses encontros são apreciados.
Contato com Dr. João Paulo para um possível parceria em um site, mas por enquanto não tenho tempo material para assumir novo compromisso. Ficou em aberto para 2021.
Resgatei um antigo trabalho meu feito em 2004 – CAMINHANDO PELA CIDADE DE SÃO PAULO e resolvi que podemos fazer um curso com o material. Já motivei Telma começamos a pensar na divulgação, Telma fez o poster, fiz o roteiro e já mandamos para muitas pessoas. conhecidas. É um curso pago, e uma experiencia. Ainda não sabemos o resultado porque só acontecerá em final de novembro e começo de dezembro em 3 aulas de duas horas cada. Desafio.
Convite da Universidade Federal do Rio de Janeiro para uma Live que acontecerá em um evento de dois dias. Minha participação será em 6 de novembro.
Roda de conversa na Lab 80+ com3 pessoas conversando. Muito bom. Foi uma das melhores rodas de conversa e das participações que mais gostei.
 
CURSOS – Terminando o curso da Pinacoteca IDOSOS E O MUSEU, não consegui continuar o contato com todas porque eram 35 participantes, mas algumas Até perguntaram sobre o meu curso. Eu sim procurei um contato de Gabriela Aidar do Educativo da Pinacoteca com Dr. Egídio para uma possível parceria com a USP 60+. Já se falaram.  e propus contato de Sandra Gomes do Conselho do Idoso e Direitos dos Idosos da Prefeitura também para parceria desejável. Esse não sei se aconteceu.
Continuo com os cursos de Felipe Martinez pelo MAM onde sou bolsista. Cursos nas segundas feira - História da Arte Moderna e nas quintas feiras Introdução à História da Arte. Desta foram geniais as aulas de duas horas cada uma onde ele falou sobre Michelangelo, Leonardo Da Vinci e Rafael com detalhes e conotações históricas e filosóficas  que garantiram 6 horas de puro deleite
 Live da Cia das Letras com duas historiadoras que escreveram um livro A BAILARINA DA MORTE - a gripe espanhola no Brasil que me atraíram para o livro. Comprei no mesmo dia, chegou em menos de uma semana, li em 5 dia (sempre nos momentos roubados de outras atividades). Gostei tanto que logo escrevi texto comentando e até publiquei no meu Blog. Vale a pena ser lido.
Ainda tentando indexar o livro 10% HUMANOS. Difícil, mas não desisto. Mas, fica sempre no fim da fila dos compromissos pessoais.
Fiz uma assinatura para a NETFLIX durante um mês só para ver um documentário muito atual   O DILEMA DAS REDES.                                    . Assisti e durante o mês procurei por filmes bons. Só assisti PERFUME DE MULHER - EM ALGUM LUGAR DO PASSADO por causa da música tema –Variações sobre um tema de Paganini nº 24 – Rachmaninov  -  SOCIEDADE LITERÁRIA DA TORTA DE CASCA DE BATATA..  Nada mais me atraiu e no final deste outubro estou cancelando a assinatura. E alguns filmes indicados pelo prof. Terron. Vejo, nem sempre gosto, mas não participo das discussões. Tem muita gente que gosta mais de falar. 
AMIGOS - VISITAS – quase não vem ninguém aqui. Continuo não saindo (230 dias aqui dentro de casa e sozinha). Às vezes resolvo que devo sair  para testar minha mobilidade, mas sempre encontro desculpas e não saio.
Paula só chega na porta para me entregar compras. Circe vez por outra me traz alguma coisa. Telma passou uma tarde inteira de um sábado onde tratamos de trabalho, ela me ensina muita coisa de informática e depois conversamos “abobrinhas”. Mas, uma boa companhia e eu converso um pouco.
Sérgio Duque Estrada me visitou duas vezes e ficamos conversando horas. Sobre trabalho e sobre coisas pontuais. É um bom conversador, atencioso e gentil. Sempre me traz um pedaço de bolo que ele mesmo faz no capricho. Em uma delas salvou meu domingo que para mim é um dia muito vazio.
Margarete sempre está ligada. Não esquece de me dar sua atenção e carinho. Boa amiga de sempre.
Mirian Goldenberg e Arthur sempre com bons textos de contatos. Devo a eles mais atenção.
Retomo contato com Pedro meu “filho espanhol” cobrando notícias dos meus “bisnetos virtuais” que moram em Madri. Já estão com 20 anos. Para quem não sabe Pedro foi meu aluno na década de 70 e tivemos uma relação materno-filial muito forte. Renasceu quando o encontrei pela Internet e nestes últimos 20 anos estamos sempre em contato. Reencontrei-o fisicamente em 2012 e passamos dias especiais onde tive contato com essa minha “família por adoção”. Peço também notícias de Alessandro lá na Sicília. Me respondeu prontamente, contou muito de sua vida em que escreve muito sobre histórias da região. Foi um texto resposta tão bonito que acabei de ler que vou imprimir e guardar nos meus arquivos.  Tanto tempo afastados desde que ele se aposentou e voltou para a Itália e parece que nunca estivemos longe. Temos empatia total.
Retomei contato com Rosali, agora morando em Portugal e me contando de suas mudanças. Contei a ela o nascimento de Benício porque ela conhece bem o Eduardo e foi quem nos colocou em contato para o documentário.
Tivemos um susto com a Maria Inês que teve a Covid-19, ficou hospitalizada, mas se recuperou parece que totalmente. Mantenho contato constante.
E ainda neste mês o nascimento do Benício, filho do Eduardo (aquele do meu documentário fazendo há mais de 10 anos, por puro prazer de ambos) e Carol. Grande envolvimento meu porquê acompanhei a gravidez toda e agora depois do nascimento com problemas normais de um prematuro, mas desgastante para os pais e quem acompanha. Por conta do meu envolvimento virei a “bisavó honorária” com o bônus de ganhar um “bisneto por adoção”. Estou fazendo o diário do Benicio nesses seus primeiros dias e já tenho sua História em gestação.
 
CONTATOS FAMILIARES = Flavio agora mora mais longe e é sempre mais difícil circular. É do grupo de risco e deve ficar em casa mais tempo possível. E anda tenso com os muitos exames de saúde que está fazendo. Mas tem a diabete bem controlada.  E como é muito fechado, é difícil saber das coisas. Acho que nesse mês de outubro só esteve aqui uma vez e mesmo assim no final de uma tarde quando deixou Eliana em um trabalho e depois foi buscá-la. Quando aqui ajusta e concerta muitas coisinhas.
Com Jurema e Oscar lá de Londres, a distância e o tempo reduzem muito os assuntos, mas sei que estão “bem” ainda não sabendo como serão as sequelas de uma Covid-19 enfrentada. Com  a nova onda do Covid-19 novas preocupações.
Com os netos pouco contatos, cada um em seu isolamento. Não são muito de contar coisas de suas vidas André é o mais falante. Todo dia dou “bom dia” e “boa noite” para todos, e acaba sendo obrigação. Vou passar agora a dar “bons dias” e “boas noites” semanais.
O meu “neto por adoção” o Jarlei está sempre em contato e dia destes me mandou como almoço de sábado uma lasanha verde à bolonhesa que me despertou memórias lindas de minhas saídas com Ayrton nos sábados e   que na época valeu até um texto.
 
CLIMA- Clima meio maluco aqui. Muito calor, ventanias inesperadas e tempestade que felizmente aconteceram de madrugada. De repente esfria, de repente esquenta. Boas, mas poucas chuvas criadeiras necessárias na primavera para o florescimento e reprodução vegetal.
 
MINHA SAUDE FÍSICA, E MENTAL   - no dia 15 de outubro consulta agendada no Instituto de Psiquiatria do HC FMUSP. Faço parte de pesquisas da LIM 27 (Laboratório de Investigação Médica) desde 2004 e periodicamente sou acompanhada para o grupo de controle de Alzheimer e Cognição. Tenho dois psiquiatras que me acompanham Drs. Marcos e Júlia .Desta vez para fechamento de um projeto de Lítio há uns cinco anos, no fechamento respondi questionários   e fiz novamente todos os testes. Também uma boa conversa é sempre aproveitada por Psiquiatras atentos. Minha cabeça está muito boa e cognição perfeita.
Sem problemas, que exijam atenção, meu acompanhamento na Geriatria do HC ficou transferido para março 2021
 
Uma avaliação final neste[ 31 de outubro nos meus 232 dias de isolamento.
Às vezes me sinto meio cansada. Em tempos de feriado confundo os dias: não sei se é sábado, domingo ou segunda. Preciso de uma referência para me reencontrar. “Converso” muito com meus amigos virtuais. As pessoas agora telefonam mais. Parece que ouvir vozes conhecidas é reconfortante. E os telefonemas se estendem mais. Por conta do meu comercial muita gente me reconhece e me liga. Temos o recurso  das plataforma Zoom e Google Meet para juntar amigos e comemorar algum acontecimento. E, mais fácil ainda o WhatsApp com vídeo.
Converso muito comigo mesma ponho em ordem meus conhecimentos,   e  procuro estar preparada para as mudanças atuais e futuras.
Pelas  minhas leituras e constante atualização ainda aguardo essa segunda onda do Covid -19 com certa apreensão.  
Mas, não posso identificar nenhum sintoma de solidão.  Meus dias são sempre mais curtos do que preciso para tudo o que pretendo fazer e agendo. Sem tempo para reclamar.
Tenho aproveitado o tempo sempre para ler muito e me atualizar para ter segurança quando tenho que “falar” em lives ou mesas de conversa.
Tenho certeza de que estou enfrentando bem todas as mudanças e administrando bem o meu isolamento. Registrá-los em “Diários” é  um testemunho do cotidiano diferente.
Até  o próximo.
 

Comentários

Victor de Carvalho Calvanese disse…
Oi vó, ótimo texto, parabéns!
Quanto a minha ausência, me desculpe, as coisas andam bastante corridas principalmente quanto ao meu Doutorado. Mas prometo que estarei mais presente. E para comecar, passo a acompanhar assiduamente seu blog. Grande beijo.
Inês Nacif disse…
Querida Dona Neuza,

Meu nome é Inês Nacif, sou mãe, dona de casa, escritora amadora, trabalho na Biblioteca/sala de leitura de um colégio e estou me formando em Pedagogia e Biblioteconomia.

Acabei de assistir sua entrevista com a simpática jornalista Natalia Ornellas e fiquei simplesmente encantada com a senhora! Já estou seguindo seu blog e quero ler muitos textos!

Gosto também de manter um diário e um livro de memórias e me senti muito inspirada com sua história!

Gostaria muito de conhecê-la pessoalmente. Não tenho mais meus avós e seria adorável tomar um chá da tarde em sua companhia. Imagino que a senhora não tenha muito tempo... já vi que sua rotina é bem repleta de atividades.
Se houver uma oportunidade, prometo levar um bolo bem gostoso!
um forte abraço,
Inês Nacif
Unknown disse…
Obrigada Vovó Neuza. Graças a Deus que as coisas estão encaminhando bem.Que possamos ultrapassar esta fase com a esperança de dias melhores.Que a força que enaltece a bondade esteja sempre conosco.Um abraço bem forte.

Postagens mais visitadas deste blog

QUARESMEIRA OU MANACÁ DA SERRA?

PAINEIRAS E MARITACAS

A ARTE DE GIUSEPPE ARCIMBOLDO (Artista que poucos conhecem)