sábado, 24 de julho de 2010

UNIVERSO SONORO – um curso para ser aplaudido e repetido

Entre os dias 12 e 17 de julho deste 2010, a Universidade de São Paulo representada pelo Laboratório de Neurociências do Instituto de Ciências Biomédicas, e em parceria com o núcleo de Artes Cênicas da  Estação Ciência, promoveu um curso apoiado  pela Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, curso esse que tem um título  maior do que  o que começa este texto:
UNIVERSO SONORO E INTERAÇÕES HUMANAS:FISICA, ARTE E NEUROBIOLOGIA DO SOM E DA MÚSICA

Um grande título para um conteúdo maior ainda.

Aconteceu no espaço  Estação Ciência e contou com dias de chuva pesada, que serviu de avaliação do interesse dos participantes: ninguem faltou em nenhum dos dias.
Durante 40 horas, em uma semana interia e um dia  de horário fechado (7horas), o curso começou com 16 participantes e acabou com 17. Raro acontecimento. 

A maioria graduados e graduandos, tinha nível para entender as explicações detalhadas do  Aparelho Auditivo, do Cérebro e da Fisiologia da Sensação e Percepção do som. Maria Inês Nogueira, Livre Docente em Neurociêcias da Usp foi aplaudida e na avaliação proposta tirou sempe nota 10.Com palavras e imagens associadas se fez entender.

Marcelo Muniz como físico, músico e luthier além da teoria física das ondas sonoras, “criou” instrumentos sonoros de sopro e corda com sucatas.

Rômulo, físico, historiador e cinéfilo, relacionou o cinema com som musical e esteve sempre presente, ajudando uns e outros.

Cauê  da Estação Ciência - usou a expessão corporal para complementar a teoria física, anatômica e promoveu um relaxamento necessário depois de  tantas horas de atenção.

Eu, Neuza, sem ser musicologa nem musicista, não tocando nenhum instrumento, conhecendo musica só de ouvir, ouvir e ouvir, dei a minha contribuição com uma Linha do Tempo da História da Música , a apresentação dos maiores músicos no decorrer do tempo, e contar um pouco da minha experiencia nesse universo musical que frequento há  mais de 30 anos.

Participação efetiva nas oficinas para construção de instrumentos de som, levou o grupo a uma união pessoal, troca de experiencias, amizades  que continuam (ou não)  pela semelhança de expectativas.  Objetivos  também semelhantes – aumentar os conhecimentos para aplicá-los  nos alunos da rede pública – mostra um grupo envolvido em Educação. Há sempre esperança no futuro.

Três grupos formados fizeram o que seria o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) com apresentações dinâmicas, todas elas usando o que se aprendeu.Sucesso absoluto.
Na avaliação através de uma ficha bem elaborada, ficou demostrado o aspecto positivo do curso.Outros devem acontecer. Este foi o piloto.

Adrianas, Dulce, Esther, Ana Paula, Jaqueline, Jeniffer, Joyce, Carmen, Tamiris, Flavia, Elis......Anderson, Erivelto, João Lúcio, Leo são nomes quqe ficaram gravados para as novas amizades nascentes, profissionais ou pessoais.
Veja as fotos
                        
                       
                         
                        
                        
                                                      

3 comentários:

As aventuras de Francesco disse...

Nossa! Um assunto pouco explorado pelos intelectuais..Parece-me q o som vibra até bater em um obstáculo, então há quem diga q ele pode durar décadas..Existe um segmento da musicoterapia na Unicamp q chega a curar depressões severas, apenas estilizando o tipo de som ao formato musical..

Anônimo disse...

Parabéns Vovó Neuza pelo seu trabalho, sempre incentivando a cultura e a levando para quem pouco conhece!!São Paulo, o Brasil, ou melhor, o mundo precisa de mais pessoas como a sra!
Mais uma vez Parabéns!!

Lua disse...

Eu queria estar aí para ajudar no que preciso ao progresso dessa missão ou sentir a sensação completa da alma humana....magnifíco trabalho...um novo céu está surgindo...o cobertor de nossos inexplicáveis frios atos vai se perder e surgir uma luz que traga calor sereno as nossas convivências....Agradecida pela inicciativa