sexta-feira, 6 de setembro de 2013

UM DOCUMENTO ENCONTRADO NO FUNDO DO BAÚ DA MEMÓRIA – responsável por toda uma história

Periodicamente meu Baú da Memória sofre limpezas, arrumações porque está sempre bagunçado. É atração da casa e a cada vez seu conteúdo é tirado, conferido, acrescido e manuseado. Nesta última vez, forrando o fundo do Baú encontrei um documento que, se estava lá certamente era valioso. Mas esquecido.  Protegidos, estavam o documento e o texto que lhe deu origem: A Voz dos Objetos.



Uma análise do documento através de suas palavras chaves: PAPEL RECICLADO - CERTIFICADO –MEU NOME COMPLETO - TALENTOS – MATURIDADE – 2004 – BANCO REAL -– PARTICIPAÇÃO – LITERATURA –– geraram uma história que gerou este texto.
Foto do certificado
O PAPEL RECICLADO mostra já uma preocupação com a natureza, com a sustentabilidade com o respeito pelo planeta. Satisfação em constatar o fato.
CERTIFICADO (documento comprobatório de um fato) em meu nome testemunha alguma coisa que eu fiz.
MEU NOME COMPLETO - mostra o cuidado com a identidade. Nada de NEUZA GUERREIRO ou NEUZA DE CARVALHO, mas NEUZA GUERREIRO DE CARVALHO.
TALENTO - capacidade inata para realizações que nem sempre é evidente. Precisa ser descoberto.
MATURIDADE – fase da idade adulta, não necessariamente de idosos.
2004 – um dado cronológico
BANCO REAL - instituição da época
PARTICIPAÇÃO - fazer parte
LITERATURA – uma escolha entre várias opções apresentadas

A história começa antes de 2004, talvez pelos idos de 1996-1997 – quando comecei a escrever minha História de Vida. Sem pretensões, apenas como registros. Nos primeiros textos, só fatos, mas com a descoberta de que os detalhes é que dão  o tempero, fui melhorando e melhorando e passei a escrever não Ao  Correr da Pena", como dizia José de Alencar ao escrever suas crônicas no século XIX, mas "Ao Correr do Teclado", neste século XXI.

Desde 1999 o logotipo procurando Talentos da Maturidade me bombardeou via Internet e outros meios de comunicação, até que, conquistada pela possibilidade de tornar pública a minha “produção”, optei por mandar um texto. Não me preocupei muito com “ganhar”, mas principalmente “participar” em uma experiência nova para mim. Já então, estava dentro do padrão de maturidade: 74 anos e parafraseando Machado de Assis:

Estou naquela idade inquieta e duvidosa
que é um fim de tarde
 e começa a anoitecer

PARTICIPAR, COMPARTILHAR, sempre foi meu objetivo maior. Receber um certificado de participação certamente foi um premio quase tão importante quanto um primeiro lugar. O participar motiva. Não é um fim, mas um meio incentivador para continuar.  E neste caso particular  incentivar para continuar a escrever. E eu continuei. Até agora “rabisquei” digitei milhares e milhares de palavras que constituíram cerca de 500 textos dos mais variados assuntos. Do meu jeito pessoal, contando, registrando, inventando, comentando.

Por que só em 2004? Tudo tem seu tempo e ele chegou quando eu tinha um texto pronto e que julgava interessante.

Até então, o logotipo Talentos da Maturidade levava junto “Concurso Banco Real” e ficou assim até 2007.

O Banco Real um simpático banco mineiro, até então era também conhecido pela notável decoração de Natal na agencia da Avenida Paulista. Seu saguão enorme era tomado por instalações temáticas (Reciclagem em 2003, Água em 2004, Produtos da floresta em 2005, Diversidade em 2006 e História de Natal para o mundo em 2007) da melhor qualidade, bom gosto em cor e luz.



Mas as coisas mudam, e em uma cidade como São Paulo, em constante “Vir a Ser” como escreve Jorge Americano, mudam muito. E entra na vida da cidade a palavra SANTANDER. Entra aos poucos, pé ante pé, devagar, no começo  junto com o logotipo do Real e aos poucos tomando o espaço, até que a partir de 2010 só vemos o vermelho do Santander.

Filosofias diferentes, não mais a festa visual do Real, o Santander investe agora mais diretamente em AÇÃO. Educação, Cultura, Sustentabilidade, Diversidade, são suas metas. Mas, não se esqueceu de continuar com a procura de Talentos da Maturidade que neste 2013 chega  à sua 14ª edição, agora sob o nome SANTANDER.

E novamente me conquistou.  Tinha parado  um tempo. Não sei bem por que. Talvez porque estivesse investindo em adquirir sempre mais conhecimentos e organizar projetos de trabalho necessários à sobrevivência. 

Sempre solicitada através de cartas gentis, voltei a participar na categoria Literatura. Escrevo muito. Não sei bem o que.  Contos, crônicas, registros, situações familiares, histórias minhas e da família, criações da imaginação, comentários... Mas escrevo. Tanto faz a etiqueta. Escrever me dá prazer. Escrever é antes de tudo deixar para a posteridade um registro de vida.
  E, como escreveu Ilka Brunilde Laurito:
 “Vamos morrer um dia. Mas, histórias podem durar depois de nós. Basta que sejam postas em folha de papel e que suas letras mortas sejam ressuscitadas por olhos que saibam ler". Ou em tela de computador neste século de tecnologia.

Se a função deste meu blog sempre foi divulgar, motivar, mostrar que todos podem fazer tudo com coragem, meu recado está dado. Escrevam, divulguem e tenham a satisfação de participar. Comecem e “vão pegar no breu” como dizia um professor amigo.  Usem de um veiculo de divulgação que pode ser o programa Talentos da Maturidade. O endereço? O milagroso Google lhe dará.
Já que vou participar quero ter outros “maduros” participando também. Por isso divulgo.

Então, ao PARTICIPAR, COMPARTILHAR, junto agora  DIVULGAR

Quanta história um documento encontrado no fundo do Baú da Memória foi capaz de gerar.


    

Um comentário:

Vanessa Bueno disse...

Olá Vovó Neuza. Sou repórter da revista online Brasileiros mundo afora. Escrevo porque gostaríamos de entrevistá-la para nossa próxima edição. A senhora pode me passar seu e-mail para conversarmos melhor? meu e-mail é: vanebueno7@gmail.com
Aqui o site da revista para a senhora conhecer:
http://www.brasileiros-mundo-afora.com/