sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

ATIVIDADE FISICA COMO PREVENÇÃO E TERAPEUTICA

“As partes do corpo que se mantêm ativas, envelhecem lentamente e com saúde,enquanto as inúteis ficam doentes e envelhecem precocemente."
Hipócrates (460 a.C – 377 a.C)

Este texto é um depoimento com as necessárias informações básicas iniciais.

Idosos têm um envelhecimento fisiológico natural que é uma redução progressiva das funções, mesmo que em muitos casos não haja comprometimento das necessidades básicas. Isso é chamado de Senescência.

Promover “um estado de pleno bem estar físico, psíquico e social” do “senescente” é promover um envelhecimento saudável (definição de Saúde da OMS). A Senecultura “é o conjunto de ações interdisciplinares que contribuem para a promoção de um envelhecimento saudável”(Prof. Dr. Wilson Jacob Filho).

Opondo-se ao sedentarismo endêmico que caracteriza principalmente os idosos, a Atividade Física vem sendo valorizada e incluída nas práticas de atendimento médico aos idosos.

A relação Sedentarismo x Atividade Física é bastante evidente no momento em que a pratica da Atividade Física contribui para combater os males resultantes do sedimentarismo.

Dentro da Atividade Física, a literatura vem demonstrando importantes benefícios da Musculação (treinamento com pesos) porque ela preserva e desenvolve a capacidade motora do indivíduo que envelhece.

Tendo sua flexibilidade e força diminuídas, os idosos tem sua limitações aumentadas e uma ação preventiva é sempre preferida à curativa.

O depoimento em questão vai procurar mostrar o valor, as conseqüências físicas, psíquicas e sociais, como resultados de uma atividade física motivada, orientada e acompanhada por especialistas.

Respondendo a um convite encontrado na Geriatria do Hospital das Clinicas, procurei o serviço indicado. Estava começando a sentir a necessidade de atuar sobre o corpo, coisa que nunca tinha feito até então. Em conversa preliminar com o Dr. José Maria Santarém, fui inicialmente avaliada com o objetivo de se saber se eu estava dentro dos critérios para esse tipo de atividade. Passando no primeiro teste, fui de novo avaliada, com uma anamnese completa, exames de suporte, ergocardiograma, densitometria óssea e avaliação de composição corporal, avaliação isocinética funcional e postural.

Passei, fui integrada ao grupo de pesquisas e comecei a praticar o que se chama popularmente de musculação, mas que tecnicamente recebe o nome de “exercícios resistidos” porque trabalha os músculos com pesos. Todo o programa foi acompanhado pelos pesquisadores do CECAFI (Centro de Estudos em Ciências da Atividade Física)

Considerando que nos idosos a força muscular fica diminuída em função de dois processos: atrofia de algumas fibras musculares e hipotrofia por uso insuficiente ou inadequada, o objetivo dos exercícios propostos é aumentar essa força e a flexibilidade.

Comecei em março de 2001 e então o grupo fazia a musculação no prédio da Ortopedia e Traumatologia do HC (IOT), no segundo andar em uma bem montada academia. As escadas de acesso serviam até como exercícios extra, não programados, para alguns, eu inclusive. Passamos depois para o 7º andar ainda no IOT. Em um terceiro momento estivemos já na Teodoro Sampaio em um prédio de consultórios.

Enquanto isso se montava o CECAFI definitivo, na Teodoro Sampaio mesmo no nº 474. Academia de primeiro mundo, aparelhos novos, bem calibrados, anatômicos, pessoal humano da melhor qualidade. E depois ainda para a Teodoro Sampaio 515 só com atuação de pesquisa. César e Rosana levam a supervisão a sério e por isso tudo funciona bem.

Cada praticante realiza pelo menos duas sessões por semana, com duração de 50 minutos aproximadamente, com pelo menos dois dias de intervalo entre as sessões. Neste 2009 fazemos 3 sessões por semana como variável controlada.

Os movimentos, em número de seis, tem três séries com 12, 10 e 8 repetições com intervalos de 1 minuto entre as repetições. Esses movimentos são:
- Leg press – flexão e extensão dos músculos inferiores
- Panturrilha – flexão e extensão dos tornozelos
- Press Peitoral – flexão e extensão dos membros superiores
- Lombar – flexão e extensão lombar
- Remada – flexão e extensão dorsal
- Abdominal - flexão e extensão abdominal

As cargas são crescentes. Aparelhos têm reguladas s altura e distância de acordo com a altura do participante.
Pressão arterial aferida antes e depois de cada sessão e pulsação antes da sessão.

Comecei com carga máxima de:

· Leg Press – 20kg
· Panturrilha – 35kg
· Peitoral – 2,5kg
· Lombar – comecei depois com 20kg
· Abdominal – 10kg
· Remada – 15kg

Hoje, oito anos depois, chego a
· Leg Press -70kg
· Panturrilha - 60kg
· Peitoral – 20kg
· Lombar – 70kg
· Abdominal - 35kg
· Remada - 30kg

Comparados os pesos resistidos no começo e atual estado, é bem significativa a diferença. Hoje faço os movimentos facilmente, com cargas maiores. Isto quer dizer que minha força muscular e a flexibilidade foram grandemente beneficiadas. Hoje sou capaz de fazer esforços necessários com pouca dificuldade. .

A minha saúde física é estável, os exames laboratoriais estão sempre dentro dos padrões de normalidade, as densitometrias ósseas mostram o esperado para a idade. Não tenho problemas de osteoporose. Só ligeira osteopenia. Presto mais atenção à minha postura, caminho com facilidade sem cansar, e caminho uma distância muito maior daquela que costumava percorrer. Não tenho preguiça de andar nem medo. Tenho segurança nos movimentos porque braços e pernas estão fortes. Respiração controlada, regular. Pressão arterial sempre dentro dos padrões de normalidade, não se modificando quase nada depois dos exercícios. Uma boa oxigenação corporal e cerebral mantém fisiologicamente meu organismo em pleno bem estar físico. Acho até que minha fisionomia está mais descontraída, sem rictos de tensão.

Do ponto de vista psíquico houve um sensível aumento na atividade cerebrais - provavelmente pela maior oxigenação - com maior atenção para com o meio ambiente, raciocínio mais rápido, concentração maior. Conseqüência foi um aumento de atividade mental, maior curiosidade, avidez por aprendizagem. A segurança gerou maior auto-estima, confiança nas atitudes profissionais e sociais. Uma atividade mental muito densa, variada e prazerosa. Sempre em dia com o mundo e o que acontece. Equilíbrio emocional facilmente resgatado quando tende ao desequilíbrio. Enfim, psiquicamente equilibrada.

Do ponto de vista social houve uma maior integração com o grupo da mesma faixa etária, e também com grupos mais jovens, pela confiança que um estado físico bom dá à pessoa. Formo grupos com facilidade, me sinto bem e adaptada aos mais diferentes contextos, tenho atividades das mais variadas e culturalmente benéficas. Até uma certa capacidade de liderança que tive em algum tempo da vida, mas havia desaparecido, parece que retornou.

Convivência familiar adequada porque tenho a minha vida, não interfiro nem tenho tempo para dar palpites nem ficar reparando nisto ou naquilo. Respeitada pelos filhos e netos como avó participante.

Todas essas considerações tem base. Faço retrospectivas de vida anuais e basta comparar a minha vida há cinco anos atrás e agora.

A Atividade Física está diretamente ligada a essa evolução pessoal?

Acho que sim, assim entendo e se não é o único fator é pelo menos o que tem um grande peso, porque me conservou sadia, participante atuante e inserida no contexto social. E não à margem da vida, como espectadora. Prefiro ser atriz, no palco da vida, mesmo que coadjuvante, do que simples expectadora na platéia.

2 comentários:

Anônimo disse...

Esse é o nosso Barsil

http://wareweb.com.br
Soluções para Internet

. disse...

Ah, Vovó Neuza!

Se por um acaso você tiver alguma dica sobre o livro que estou procurando (Thelma - A princesa da Noruega), por favor, me responda no email: brumass@gmail.com
beijosss, adorei seu blog!!!