domingo, 5 de abril de 2009

CRODOWALDO PAVAN - UMA ALUNA E SEU PROFESSOR

Neste três de Abril de 2009, morre o prof. Pavan. Ele era quase um paulistano. Afinal, Campinas fica logo ali. Mas é uma referencia para São Paulo e para a Universidade

Podia ter esperado um pouquinho mais – seis meses – e teria completado os 90 anos.

Seu necrológio será publicado á exaustão, suas fotos cansarão olhares, sua trajetória profissional será repetida e repetida e repetida.

Mas estas serão letras sobre um jovem professor e tempos de convivência de um professor com uma aluna que estava começando a se acostumar com o meio universitário.

Em 1948 entrei para a Universidade de São Paulo, que funcionava não no belo campus que temos hoje, mas em um palacete de moradia – O Palacete Glette.

1948 – 1949 foram anos de Zoologia e Botânica e em 1950 subimos para o sótão do Palacete para as aulas de Biologia com o prol André Dreyfus e seus assistentes Rosina de Barros, Crodowaldo Pavan e Antonio Brito da Cunha.

Espaço acanhado, os microscópios quase se tocando, mas com a competência do prof .Dreyfus, o entusiasmo e seus assistentes e a nossa vontade de aprender chegamos a conhecer bem a célula e os cromossomos. Só até ai. DNA era um conceito apenas. Só depois de 1950 é que se tornou realidade.

Poucos alunos – minha turma tinha apenas cinco – espaço pequeno, a conseqüência maior era a proximidade entre alunos e professores. Proximidade que gerava amizades pessoais.

Nesta foto, que é uma preciosidade embora de baixa qualidade, dá para perceber o relacionamento na época. A foto é de 1950, mostra a minha pequena turma (5), o prof.Dreyfus e na frente, com a juventude explodindo, Crodowaldo Pavan.




Sempre cruzávamos nas alamedas do Palacete Glette o assistente Pavan e com ele sua esposa Lourdes, antes química e depois Psicóloga na sua segunda opção profissional. Morreu cedo, mas deixou nome de referencia na Psicologia.

Crodowaldo Pavan sempre foi Biólogo, Geneticista e foi com ele que eu fiz minha especialização em Genética de Populações para a licenciatura em História Natural. Foram nas suas aulas que as mosquinhas -da- banana, as drosófilas, me foram apresentadas.

50 anos se passaram em que apenas noticias de seus sucessos profissionais chegavam até mim. Só lecionei e não freqüentei nesse tempo os meios acadêmicos.

Voltei a encontra-lo em uma palestra sobre os 50 anos da descoberta e dos estudos do DNA. E na minha volta à USP o ambiente proporcionou novos encontros. Em muitos eventos em que nos víamos sempre havia um contato pessoal, algumas palavras trocadas.

Em 2006 pude abraçá-lo quando recebeu o titulo de Guerreiro da Educação e nas suas palavras de agradecimento ainda falou com entusiasmo das pesquisas em que estava envolvido, algo como célula tronco e gema de ovo.

A ultima vez que o vi, em 2008 já com 88 anos, foi no ônibus da USP, quando ele subiu firme e seguro e por circunstancias outras sentou-se ao meu lado. Sempre me reconhecia, sempre falava alguma coisa da nossa época, nunca com saudosismo. Era uma ligação do agora com um tempo da Biologia da Glette.

Desses tempos já cumpriram seu ciclo vital o Prof. Dreyfus, em fevereiro de 1952 (dia de nossa formatura), Rosina de Barros e agora Crodowaldo Pavan. De um tempo, de uma escola Antonio Brito da Cunha, o Totó Cunha para nós ainda empunha o bastão da vida.

Não fui ao velório. Não gosto. Prefiro a celebração da vida. E as minhas homenagens são estas lembranças de Crodowaldo Pavan com seu espírito humanitário, como “meu” ‘ professor amigo.

Um comentário:

Anônimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!