segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

SÃO PAULO DE DANTES

Este texto “roubado” é atual. Foi escrito hoje mesmo por José de Souza Martins que apesar de aposentado, professor emérito da USP, continua gerando textos, alguns com memória de uma cidade de dantes.
Este de hoje foi transcrito na integra porque é bom demais para que seja lido só por quem lê jornal. Mais gente merece conhecê-lo. Por isso uso o blog como divulgação
Então, aqui vai ele.


Cadeira de barbeiro - J.S. Martins (2009)

Seu Chiquinho Villano tem 92 anos de idade e há 80 anos é barbeiro no mesmo lugar, na Rua França Pinto, hoje no 617. A Vila Mariana passou e ele ficou, rejuvenescendo-se todos os dias, já de tesoura em punho às 7 h da manhã de cada dia. Recebe os clientes com a calma de fígaro antigo, a conversa pausada e bem humorada. Ouvi suas histórias, suas anedotas de barbearia, com a pudica recomendação de não publicá-las.

Já trocou de cadeira umas seis vezes, sempre na fábrica do velho Ferrante, que conheceu, outra instituição das barbearias brasileiras, uma fábrica do Cambuci. Sobre a bancada, um velho rádio está permanentemente sintonizado em emissora que transmite música clássica. Lembra com saudade da velha Rádio Gazeta, a emissora de música erudita, que tinha sua própria orquestra sinfônica.

Cheguei até seu Chiquinho por meio do Dr. Tito Costa, seu admirador. Cadeira de barbearia já foi o mote de programa da Rádio Tupi, nos anos 1950, “Cadeira de Barbeiro”, com Aloísio Silva Araújo, como barbeiro, e Manuel da Nóbrega, como cliente. Ali se metia a tesoura na vida de todo mundo, sobretudo nas manhas dos políticos. A cadeira de barbeiro é, neste país, uma das mais poderosas instituições de formação da opinião pública: uns 60 milhões de homens maduros nela se sentam ao menos uma vez por mês e ali expressam livremente o que pensam sobre todos os assuntos. Quando cheguei, metiam o pau na Câmara paulistana pelo aumento do IPTU. Cadeira de barbeiro é a única e verdadeira tribuna livre do povo, único lugar da crítica social e política aberta.

Seu Chiquinho teve clientes famosos. Foi barbeiro de Prestes Maia, duas vezes prefeito de São Paulo, a quem admirava, porque não usava carro oficial, usava o bonde. Recusou democraticamente aos ricos Matarazzos, originários da mesma terra de seu pai, Castellabate, na italiana província de Salerno, a permissão para que construíssem um portão particular no Cemitério da Consolação, na Rua Mato Grosso.

Na revolução de julho de 1924, a Vila Mariana foi cenário de combates e bombardeios, muita gente morreu e muita gente fugiu. De carroça, seu o pai, Affonso Villano, levou a família, a mulher, Philomena, e as crianças, para a casa do tio Gustavo, um parente que tinha armazém de secos e molhados na Barra Funda. E lá ficaram refugiados durante o mês dos combates nas ruas de São Paulo, dormindo no chão. Os meninos voltaram a pé para casa, na Rua Humberto I, a mãe na carroça, com criança pequena. Caminharam a manhã inteira. A criançada acabaria se divertindo com os resquícios da guerra: arrancava das paredes as balas incrustadas, para guardá-las como lembrança.

A cultura da cadeira de barbeiro é a rica cultura do cotidiano, da memória sem escrita, da vida sem arquivo nem papel, do que não importa, importando muito.

Professor Emérito da Faculdade de Filosofia, letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Dentre outros livros, autor de Subúrbio (Editora Hucitec/Editora da Unesp, 2002); A Aparição do Demônio na Fábrica (Editora 34, 2008; Sociologia da Fotografia e da Imagem (Editora Contexto, 2009); A Sociabilidade

8 comentários:

Noeli disse...

Meu pai e meu irmão já cortaram o cabelo no famoso salão de Seu Chiquinho.

Que coisa boa foi ler este texto.

Abraços

Fernanda disse...

Parabéns vovó Neuza! Adorei sua entrevista no canal Aparecida!!
Você é um exemplo para todas nós!!
Grande beijo!

katia disse...

Olá Vovó Neuza adorei a sua entrevista na Olga.Meu avô faz 87 anos amanhã.A mãe dele nasceu na cidade que a filha da sr mora Lenharo.Nunca consegui informações desta cidade e nem sei se é assim que se escreve.Gostaria de um site onde pudesse imprimir umas fotos e mostrar á meu avô a terra da nona.
Um grande abraço.KATIA
CAMPO GRANDEDE MS

Dra. Juniata Germann disse...

Achei o máximo a sua entrevista para Olga na TV Aparecida.
Gostaria de uma palestra sua aqui na minha cidade, Guaratinguetá, em 2010.
Vamos combinar.
Um abç!

Sonia disse...

Pessoa maravilhosa!
Multiplicadora de idéias lúcídas sobre o bom viver.
Parabéns

Santiago Luiz Ferraz disse...

Olá linda vovó NEUZA, vi a senhora no programa da OLGA BONGIOVANNI dia 11/12/09 na (TV APARECIDA)adorei a senhora viu em todas as coisas que faz, moro na cidade de PINDAMONHANGABA interior de SÃO PAULO, já tem 15 anos vim de SÃO PUALO quando criança, hoje tenho 24 anos, amei a senhora viu de PAIXÃO, eu também tenho um blog, más estou arrumando pra que fique melhor cada vez mais né, quando terminar de arrumar eu passo o endereço pra senhora viu, ou o link tá, seu blog é MARAVILHOSO gostei muitooooooo mesmo de montão, BJÕES 1000 e até outra hora !!!

Dora disse...

Querida Neuza, senti um prazer indescrítivel ao ler o "Quem sou eu"... Foram tantas as idéias que suas palavras suscitaram, tamanha a urgência e impressão de tempo perdido, de que devo/tenho/PRECISO desfrutar da vida (ler, conhecer, conviver, ir a tantos lugares ainda não visitados)... e principalmente compartilhar - não os momentos, mas as impressões que estes me causarem - com a minha cara metade... pq não há como saber por quanto tempo ainda estaremos por aqui...
Que me seja permitido acompanhar teus passos futuros... O voyerismo é encantador e confesso que me acomodo feliz igual criança atrás dessa janelinha chamada blog p/ desfrutar de sua experiência, absorver seu entusiasmo e pensar sobre seus escritos.

Que Deus a conserve assim: cheia de vitalidade.

Um enorme beijo

Suzete Carvalho disse...

Olá, Neuza
Seu blog é um "banho de cultura" e seu perfil (Quem sou eu)é "delicioso". A propósito (de delícias), também gosto de morango com chantilli e, como você, desgosto de quiabo e "abobrinhas" (conversa fiada).
Enfim, o que quero dizer é que minha "juventude acumulada" (se me permite, adotarei a expressão) se identifica em muito com a sua.
Nossas experiências culturais diferem, pois são muitos os caminhos, mas acredito que há muitos pontos de conecção e que uma troca, ainda que eventual, de experiências e conhecimentos, poderá nos enriquecer e, até, quiçá, a noss@s leitor@s. Uso "@" (arroba), por um princípio de economia (de palavras), quando quero me referir a ambos os sexos, até porque a esmagadora maioria dos visitantes é do sexo feminino e a Linguagem não nos dá muita opção.
Ficaria feliz se você e seus(as) leitor@s deixassem comentários em meu blog www.novaeleusis.blogspot.com
Abraços de Suzete Carvalho