CARTA AO MAESTRO JAMIL MALUF


Minha memória fotográfica me leva a um tempo distante, a um espaço que me parece uma igreja pelos bancos e alguém falando às pessoas sobre a importância do que estava acontecendo. Pedia-se a colaboração para uma Orquestra que estava sendo lançada.  Eu e Ayrton escrevemos em um papelucho nossos nomes, nossos contatos e o deixamos lá.  Perdeu-se no tempo o papelucho porque nunca tivemos retorno.

O tempo passou, a vida continuou, as famílias cresceram, tomaram a maior parte do nosso tempo, mas nós mantivemos em algum cantinho da memória essa “fotografia”. “Foto” diluída no tempo, esmaecida e teria se apagado se não fosse o contínuo alimentar com a música da orquestra lançada, a Orquestra Experimental de Repertório.

Maestro - acompanhei o embranquecer dos seus cabelos juntamente com o embranquecer dos meus, este mais rápido porque sou muito mais velha. Poucos contatos pessoais gratificantes quando o encontrei no saguão do teatro antes de uma apresentação e pude trocar algumas palavras.  E, faz pouco, junto com uma amiga comum, Alcione. Alimentaram a minha alma.

Segui sempre que pude a orquestra e o maestro. Admirei sempre e continuo admirando a filosofia pouco comum de ligar o popular e o erudito quando grupos elitizantes fazem força para separar as duas vertentes. Sempre vence o mais abrangente e um teatro totalmente lotado é a prova material disso.

Quando se envelhece ou nos tornamos rabugentos ou excessivamente sensíveis, até piegas. Felizmente estou no segundo caso. E hoje (ontem) minha sensibilidade devia estar no pique mais alto porque senti o programa até visceralmente. Faltou-me o ar.  Perguntada, não tive palavras. Preferi dar um tempo de assimilação que chega de madrugada e me empurra para escrever.

Um programa que começou e terminou sabiamente com Casablanca, foi continuando com o violino do Claudio Micheletti visivelmente emocionado e em sete momentos que dificilmente pode-se dizer qual o melhor, foi elevando a plateia a um patamar alto de participação, culminando com aplausos continuados e sinceros.  Fechamento especial para um fim de tarde de um domingo gélido.


Eu te saúdo maestro Jamil Maluf. Nossa contemporaneidade me trás orgulho. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUARESMEIRA OU MANACÁ DA SERRA?

PAINEIRAS E MARITACAS

A ARTE DE GIUSEPPE ARCIMBOLDO (Artista que poucos conhecem)