segunda-feira, 9 de março de 2009

A VIDA É UM ETERNO APRENDER

Desculpem o lugar comum, mas é uma verdade. Às vezes o que aprendemos parece que não serve para nada. Engano. O que aprendi hoje serviu pelo menos para que eu escrevesse alguma coisa. Ando tão envolvida em trabalho que esqueço de “abastecer” meu Blog.

Aprendi hoje uma palavra nova : MEGA-SELLERS graças a uma crônica de Ruy Castro que eu leio sempre com prazer.

Aplicado a livros significa o titulo que vende milhões e não mais milhares. Estrangeiros ou brasileiros eles estão aí e me causam arrepio. Até li alguns pelo menos para opinar. Outros não consegui ler senão as primeiras páginas.

Vender milhões de livros não quer dizer que milhões são lidos. Muitos – mas muitos mesmo - compram porque é símbolo de status (status cultural?), outros para figurar nas estantes apenas.

Conheço não poucas pessoas que compram os ainda best-sellers e nunca sequer o abriram. Não entendem que quanto mais amassado, mais manuseado, melhor o livro foi “degustado”

Do livro do garoto de óculos nem cheguei perto, porque foi tanto o “auê” gerado em torno dele que simplesmente perdi a vontade. De um certo P.C. li apenas o primeiro, cheguei ao fim a duras penas e não consegui ler mais nenhum.

E por aí vai.

Não sou critica literária, não entendo de Literatura tanto quanto eu gostaria, mas ao longo destes meus quase 79 anos construí meu gosto pessoal. E é esse que eu uso.

Será que ainda chego a um tempo em que teremos GIGA-SELLERS vendidos aos bilhões?

3 comentários:

Nós amamos cachorros! disse...

Obrigado, mil vezes obrigado, adorei, leio tudo que cai na minha mão, mas tem coisas que realmente não dá.Não gosto de começar a ler um livro e não terminar mas... o tal do P.C. não li, não deu. Amo Manoel de Barros, Adelia Prado e Fernando Pessoa.Um grande beijo.

Vanuza Kelly disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanuza Kelly disse...

Que gostosura é passar por aqui... Leio demais, amo poesias, amo Guimarães Rosa, amo Cecília Meireles, Fernando Pessoa, Luiz Ferando Veríssimo, Paulo Freire eita, leio bastante, literatura estrageira também, o que nos fala nas entrelinhas o famoso Shakespeate. E o tal P.C. é obra garantida na minha estante e junto aos meus neurônios, adoro ele também, mas respeito as diversas pessoas que dizem não consegui lê-lo... Adorei estar por aqui e como vc diz ao fim "construí meu gosto pessoal"... Beijocas e abraços fraternos de quem está adorando ler vc, ao menos nas letras...