segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

UM DOMINGO DE DEZEMBRO


Assim como a Avenida Paulist representa uma São Paulo dinâmica, o Theatro Mvnicipal é um ícone da cidade de tradição e cultura. Não se comparam. São coisas diferentes. Assim como gosto  da Avenida, gosto do Theatro. Há mais de 30 anos subindo  suas escadarias me identifico com ele. Me lembro da primeira vez que adentrei em seu espaço: tinha 18 anos, nada entendia de teatro e quase nada de música mas fui ver Vestido de Noiva de Nelson Rodrigues.

Voltei a frequenta-lo com mais assiduidade no  final da década de 70. Toda semana eu e Ayrton íamos  ouvir música às sextas feiras. (nas segunda  íamos ao Cultura Artística). Foi lá que  conhecemos e cultivamos o grande Eleazar de Carvalho, foi lá que ouvimos Jean Pierre Rampal e sua flauta de ouro, foi lá que  ouvimos o trompete de Maurice Andrés, e muitas e muitas vezes Nelson Freire e outros solistas que acomanhamos através dos  tempos e vimos
embranquecer os cabelos.

Neste ano de 2011 estive no Theatro Mvnicipal o quanto pude depois da reabertura. No meu relatório mensal que publico sempre, faço pequenos comentário pessoais ou apenas cito o que ouvi.

Mas, algumas vezes há algo excepcional, seja pela peça levada, seja pelo contexto espacial . Ontem 11,  o programa era "O Morcego" de Strauss II, uma opereta, peça leve, própria para época  festiva de final de ano. Quando possível leio os comentários no jornal e já esperava uma versão atualizada, para século XXI e para o Brasil. Dentro desse contexto, cenários, figurinos, interpretações, vozes, coro, corpo de baile, direção musical (de um Abel Rocha sempre atuante e participante, cantando junto) tudo  esteve perfeito, pelo menos para mim que sendo uma ouvinte amadora não capto detalhes negativos.

Um único problema. Como a peça foi escrita no século XIX, e já vi versão tradicional, na minha estrutura cultural está fixada uma visão de cenário tradicional, figurino pomposo e atitudes menos dinâmicas. Custa um pouco me desfazer dessa estrutura para colocar no lugar  o modernos, o atual. Porque é preciso tirar uma para dar lugar a outra.  Só assim se entendem o atual.

Como estou semre aberta  para o novo, levo um pouco de tempo, mas consigo assimilar o novo como coisa diferente e não fazendo comparações. O tradicional era apenas uma opereta da Viena  da Belle époque.  O novo, uma mistura de musical, ópera, balé,  e até comédia  do século XXI (traço antropofágico segundo uma critica mais especializada e sofisticada). Então, curto o que vejo agora. E sempre procuro o belo e o bom, Nunca (ou quase nunca) me detenhho no negativo.

Minha mensão especial vai para  Edna D’Oliveira como Adele. E mais especial ainda para o maestro Abel Rocha. Para o coro e o corpo de baile o que se disser é recorrente.

Não bastasse todo esse encanto de final de semana, encontrei com quem fazer alguns comentários.  E no intervalo, troca maior de conversas  levou até a uma atitude pra lá de cavalheresca (como não se usa mais), de um jovem adulto que se ofereceu para me levar até minha casa, com certea porque sua formação não considerava normal um octagenária andar sozinha em um final de domingo, depois de 21h.

Rendeu ótima conversa,  troca de histórias de vida, de atualidades. J.L. (ainda não coloco o nome. Não sei se tenho autorização)  teve seu perfil delineado por mim durante a conversa e deve ter uma vida rica para ser contada. Familia próxima de Renata, Luiza e Marina me pareceu seu encanto  pela maneira carinhosa e orgulhosa com que mostrou suas fotos.

Não preciso de muito para ser feliz, e hoje fui feliz, muito feliz. Música, arte e relacionamento humano. Tudo de bom. 

Ás vezes esses contatos continuam. Às vezes não. Vejamos o que acontece. 

4 comentários:

Célia disse...

Concordo com você, Neuza!..."Não preciso de muito para ser feliz, e hoje fui feliz, muito feliz. Música, arte e relacionamento humano. Tudo de bom."
Nesse final de semana assisti na TV Cultura "Pré-estreia" - programa de músicas clássicas que adoro! O trombonista José Milton Vieira e o duo de violão Marcelly Rosa e Paulo Meira foram os escolhidos na grande final!! Programas assim deixam-nos em estado de graça! Abraço da Célia.

Gabi disse...

Olá muito legal seu blog, bom conteúdo coisas bonitas. Bjinhus até mais
www.amoracherry.com

Antonio Dourado disse...

Oi Vó Neuza!
Muito legal sua participação no prêmio topblog este final de semana em São Paulo!!! Adoramos a senhora!!!
Como prometido, estou enviando o link da foto que eu e a Cris, do blog Iron Maiden Brasil, tiramos com a senhora:
https://fbcdn-sphotos-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/407177_135246543254011_100003059974504_150952_1087473616_n.jpg

Grande beijo!!!
Antonio Dourado

Anônimo disse...

Olá!
Adorei seu blog! Muito bom encontrar pessoas ativas como você, mas infelizmente nem todos são assim, pensando nos que não são e precisam de um motivação, estou com projeto a partir de janeiro de 2012, sou mais uma pessoa para dar a mão.
Faça uma visita!
http://projetocarinho.wordpress.com
abs.