quarta-feira, 17 de setembro de 2008

É QUASE PRIMAVERA....

Então vamos falar de flores. Flores são sempre bonitas quaisquer que sejam elas: azuis como algumas tulipas rainhas, vermelhas como as rosas colombianas atuais, amarelas como os populares lirios, brancas como os lirios nobres, margaridas humildes de canteiros pobres.

Gosto mesmo é de margaridas, mas hoje elegi uma outra flor, linda, especial na minha memória e muito pouco conhecida.

Sua “casa” é uma pequena árvore com uns dois metros ou pouco mais, com folhas enormes - uns 20 cm - e dá como uma inflorescência branca ou cor de rosa, com um forte cheiro de mel. Claro que está sempre rodeada de abelhas. Quando passa o seu tempo ela não cai, mas seca com uma cor marron e fica muitos e muitos dias assim. Se colhida dá otimos arranjos porque dura muito.

Você pode ver dois exemplares dessa planta ao lado do ponto de onibus em frente à ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP.

A memória que ela me trás é de um tempo especial, com um sitio de São Roque como cenário natural e quatro crianças – André, Bruno, Tiago e Victor - como participantes de uma familia. Quando juntos éramos 11 e sempre as nossas flores emulduravam as correrias, as brincadeiras, as brigas infantis. Nos acompanhava na floração e na fase seca formando arranjos que enfeitavam a loginha da nossa fábrica de chocolate. Tempos que passaram, que foram bons e serviram de degraus para os novos e atuais tempos.

Durante anos convivemos. Depois, a vida mudou. Alguns foram para outros espaços, outros para outras terras, outros para espaços quase sem verde. E eu esqueci dos cachos cor de rosa, até que os reencontrei em frente à ECA. E soube seu nome por intermédio do sempre prestativo Carlos Vilela que perguntado foi consultar seus livros e logo me apresentou formalmente a ela.

Afinal, quem é ela?
É a ASTRAPEIA (Dombeya wallichii) planta natural de Madagascar

Veja como é linda!!!! Razões não me faltam para gostar dela.

Um comentário:

JOICE WORM disse...

Ai que linda. Foi a mesma flor que me oferesceste! E vim hoje só para lhe agradecer o carinho.
(Leu meu post no Pequeno Milagre?)