domingo, 7 de março de 2010

RESPOSTA AO "IDENTIFIQUE" 01


Como complementação da imagem :

“Não me basta saber que sou amado,
Nem só desejo o teu amor: desejo
Ter nos braços teu corpo delicado,
Ter na boca a doçura de teu beijo”.
Olavo Bilac

“No inicio da Avenida Paulista (hoje final, entre as ruas Minas Gerais e Augusta), em 1920, alguém teve um dia a idéia de implantar um monumento que homenageasse Olavo Bilac. O Prefeito Firmiano de Morais Pinto procurou tomar todas as providências para que a iniciativa tivesse êxito. O escultor escolhido foi o suíço William Zadig. O resultado foi lastimável. Além de revelar falta de percepção da paisagem, o monumento não tinha unidade plástica e, pior do que isso, não tinha poesia. A falta de unidade facilitou o esquartejamento da obra e seus fragmentos foram espalhados pela cidade com a falta de cerimônia com que são tratados os monumentos desta cidade. Do conjunto só restou a imagem do gesto desolado do poeta que ficou a ouvir estrelas.”
(Toledo, Benedito Lima de – “Álbum Iconográfico da Avenida Paulista”, Ed. Ex Libris, 1987 – p. 21)


Separada das outras estátuas do monumento a Olavo Bilac, O Beijo Eterno “morou” em um depósito da prefeitura durante algum tempo, e foi depois instalado no Largo do Cambuci, causando protestos das senhoras puritanas que não admitiam aquele casal nu se beijando em praça pública.

Retirado, o casal continuou vagando, foi para a Avenida Nove de Julho sob a Avenida Paulistaem um depósito da Prefeitura.

“Incansáveis, os amantes mantiveram sua apaixonada homenagem a Bilac em meio à fuligem, até serem salvos por quatro cabeludos à Castro Alves, da Faculdade de Direito, que os desembarcaram no Território Livre do Largo de São Francisco, em junho de 1962, para emoldurar novas lutas libertárias e inspirar trovas acadêmicas” (depoimento de Álvaro Quintanilha)

Hoje, quem passar pelo Largo São Francisco, vai encontrar os amantes no seu “Beijo Eterno” que não escandalizam mais ninguém por sua nudez.

Publicado em 2008 e republicado agora em 2010

3 comentários:

Lys disse...

Olá Vovó Neuza! Vejo que a senhora também é uma amante da escrita. Adorei seu jeito de explanar as idéias. Também tenho um blog, ele é destinado à música, cinema e outros elementos do mundo das artes.
Um beijo,
Lys.

K. disse...

Oi...sempre acompanho seu blog, desde que a vi no Mais Você! Adoro ler, escrever e estou adorando a leitura de sua escrita!!!!

Cinthya Silva disse...

Bom dia Vovó Neuza, Através da reportagem no mais você, conheci seu trabalho(oficina da história) e não parei mais de ler os causos bem contados de SP porque me faz recordar e viver a guia de turismo que desbravará cada canto de SP com os grupos de longevidade:) franceses, holandeses, espanhóis ou argentinos todos se rendiam a a efervescência da vida cultural. Virando a página, sou guia de tuirsmo na Rep. Tcheca e também escrevo o blog da vida cotidiana e tradições, além da cerveja. Cinthya