quarta-feira, 21 de agosto de 2013

POESIA DA CIDADE

Escrevi essa pretensa "poesia" para um curso de Surrealismo.  Tentei, mas não é a minha praia.

SOU PAULISTANA

Nesta cidade
Nasci.
Amassada
Sofrida
Escurinha
Dei susto.
Aos poucos
bonita
Lindinha
Chorona.

Nesta cidade
Fui  bebê
Menina
Bebendo  saber
Conhecimento
Cultura

Nesta cidade
Mudei
Fiquei moça
Andei de bonde
E até de  ônibus.

Nesta cidade
Brinquei com
Sapos
Minhocas
Pedrinhas
pedronas
Folhinhas
folhonas

Nesta cidade
de amor  não sabia
Queria
Sonhava.
Só sonhava

Nesta cidade
O amor me encontrou.
Urgente,
Violento
Intenso.

Nesta cidade
Sonhei
Vibrei
Amei

Nesta cidade
Tornei-me  mulher
Companheira - amante

Um   útero vazio
Gerou vidas.
DNAs misturados
Chacoalhados
Enrolados
Companheira - amante sempre.

Nesta cidade
Sempre nesta cidade
XX e XY em ciclo vital
Cresceram..
Peixinhos nadando
Grãozinho esperando
Vidas, vidas, vidas, vidas novas.
XY sempre.

Nesta cidade
Companheira - amante
Companheiro-amante
Amam a todos
Que agora são oito.

Nesta cidade
Companheiro-amante
Voou pelos ares
deixou na tristeza
a companheira - amante

Nesta cidade
Mais dia menos dia
em pó transformada
Não mais companheira
Não mais uma amante
Deixará um legado
Em forma de letras:

 “NESTA CIDADE
NASCI
CRESCI
AMEI, AMEI, AMEI
PRODUZI.
COMPANHEIRA - AMANTE SEMPRE” .
                     
 NEUZA GUERREIRO DE CARVALHO
                                              JANEIRO 2008


2 comentários:

Célia Rangel disse...

Lindo poema de Vida, Neuza! Parabéns! Um legado maravilhoso que deixa com sua inspiração!
Bj. Célia.

Desenrola Brasil disse...

Gostei muito!
Da poesia e de seu blog>
Muita sensibilidade.
Obrigada!

Cristina