domingo, 2 de novembro de 2014

ENCONTRADO NO BAÚ DE HISTÓRIAS


De tempos em tempos faço uma revisão no meu acervo porque acabo não sabendo de tudo o que tenho. Afinal são 44 pastas com histórias de minha família e particularmente de fatos de minha história.
E encontro coisas interessantes como esta foto.E ela gerou uma história

       VISITA À FAZENDA ONDE SERIA EDIFICADA A CIDADE UNIVERSITÁRIA



Da esquerda para a direita: Otto Bier, do Instituto Butantã, Prof. André Dreyfus, prof. Jorge americano (reitor da USP) e seu filho, no terreno da atual Cidade Universitária, que fazia parte das terras do Instituto Butantã, obtido mediante troca por fazenda pertencente ao Estado. Instantâneo obtido durante visita à fazenda, na época em que se estudava a troca.

Quando a copiei e registrei ainda não tinha o hábito de escrever a fonte nem a data, coisa muito importante em registros. Mas, se não me falha a memória (e ela continua muito boa mesmo) devo tê-la copiado de uma Rotogravura de O Estado de São Paulo de 1937-38 que estava emprestada por uma amiga. Não tenho mais acesso a ela e não posso checar datas.

Mas, cruzando informações da época, acabei concluindo que ela deve ter sido tirada entre 1938, quando o professor Dreyfus se tornou catedrático na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo) e 1941, 42, quando o professor Jorge Americano foi reitor da Universidade).

E aí, a história continua.

As primeiras construções que foram erguidas no terreno foram só em 1963 por ocasião dos IV Jogos Pan Americanos.
Dias antes do começo dos Pan de Chicago foi realizado o VII Congresso Esportivo Pan-americano, que indicou a sede dos Jogos de 1963. Pela primeira vez, houve disputa entre duas candidatas. A cidade de São Paulo venceu por 18 votos a 5 na disputa contra Winnipeg, no Canadá. Pela primeira vez, o Brasil receberia uma edição dos Jogos Pan-americanos.



A Vila Pan-americana, que serviu de hospedagem para todos os atletas participantes, foi construída em tempo recorde na área que hoje pertence à Cidade Universitária da Universidade de São Paulo (USP). Obra prevista para ser concluída em três anos, a construção da Vila passou por um processo de aceleração e ficou pronta em pouco mais de 150 dias. Com um projeto arrojado para época, com estruturas pré-fabricadas, os seis edifícios abrigaram durante o Pan de São Paulo os atletas e demais membros das delegações.

Posteriormente, no local foi construído o CRUSP Centro residencial da USP.


Atualmente o CRUSP aloja estudantes e alunos estrangeiros. Está assim:



 Nestes 80anos de USP o verde tomou conta do campus e na primavera com as Tipuanas florindo e derrubando suas flores ao menor vento, o campus fica todo colorido de verde e amarelo.

A USP como eu a vejo hoje: DEPOIS DO BARRO, O VERDE E AS CORES



     


PARABENS

     



Nenhum comentário: