sexta-feira, 29 de agosto de 2008

A LASANHA DO PELICANO

Começo da década de 60.

Éramos jovens, um casal bastante apaixonado, dois filhos pequenos de seis e três anos e dávamos muita atenção ao cuidado no nosso relacionamento.

Todas as sextas feiras eu me "embonecava", deixávamos de lado os problemas domésticos e profissionais, os filhos com os avós que esperavam ansiosos por esse dia e saíamos para namorar.

Sempre no centro, carro estacionado na rua, na porta do cinema, jantar romântico, olhos nos olhos para repetir o que já estava incorporado às nossas vidas, mas que nunca era demais repetir: "Eu te amo". "Eu também...". Arremate de noite com flores da praça da República em românticos buquês de violetas ou ervilhas (nem essa flores existem mais) num gesto carinhoso de amor repetido.

Depois de uma noite de amor, só nossa, com tudo a que tínhamos direito, no sábado de manhã continuávamos o fim de semana. Passeios pelo centro, compras, procura de novidades para nossa casa, nossos filhos, nosso universo.

E no arremate, o almoço no Pelicano. Praça da República, um misto de restaurante e lanchonete, (nem se usava o termo na época) com bancos altos, balcão de mármore. E a inesquecível "lasanha". Sou capaz até de sentir o gosto, numa memória gustativa revivida. Era uma lasanha verde, com muitas e muitas camadas de massa finíssima intercalada com molho à bolonhesa, num bloco de uns 10 cm de altura. Mal conseguíamos dar conta da gostosura que era aquilo.

A volta para casa, o repouso merecido e a recuperação dos filhos que então tinham nossas atenções absolutas. Um fim de semana só deles.

Depois de muitos anos reencontramos o Pelicano na rua Conselheiro Crispiniano, mas era então uma sombra do que tinha sido. A lasanha, nem mais era servida...

Lembranças de um tempo, de uma vida, de um São Paulo diferente.

3 comentários:

Tiago Soarez disse...

Vovó,

Fiquei com uma vontade de comer uma lasanha...

Beijos

João disse...

A senhora se lembra do Gato que Ri dos anos 50,e 60 na Av.Ipiranga???

Eu era menina,morava nessa avenida e minha mãe me levava lá aos sábados ou domingos para almoçar.

Parabéns pelo seu blog...vou vir aqui,sempre.

Yara Maria disse...

Ah...o comentário coloquei no nome de meu filho.

O meu é Yara Maria.