domingo, 23 de dezembro de 2012

VIAGEM - VIGÉSIMO SEGUNDO DIA – SEXTA FEIRA – 20 DE ABRIL DE 2012


Exagerei nas andanças por Lendinara. Felizmente não tenho dores à noite, deitada, e por isso descanso bem.  Mas, aos primeiros passos, o impacto da perna no chão, atrita ossos e as dores vêm.
Muitas vezes fui contestada quanto ás dores, desafiada a enfrentá-las. Mas, cada um sabe de suas dores. O limiar da intensidade é diferente para cada um e o limiar do quanto se suporta também varia de pessoa para pessoa. Assim, não vamos mais discutir se eu sinto ou não o suficiente para não querer fazer certos programas. 
Hoje Oscar não foi trabalhar. Uma grande deferência para conosco, pois no trabalho dele, quando não se trabalha, não  se ganha.
Mas, ele quis nos agradar propondo um programa diferente e nos levando a um lugar diferente, não aos lugares convencionais de turistas. Os que lá estão são mais atentos, mais amantes de natureza, tem mais espírito esportivo. Não sei se foi muito valorizado porque as prioridades nossas não eram as prioridades de todos.
Jarlei não vem mais. A passagem ida e volta para ficar aqui só para almoçar e poucos papos, era muito cara. Fui a primeira a desencorajá-lo. Contentamos-nos com o Skype e com sua promessa de nos encontrarmos em setembro, no Brasil.
Jurema saiu logo cedo para o supermercado e abasteceu o farnel de comida para que ficássemos mais livres e sem muita despesa. Saímos ao meio dia e fomos ao LAGO DI GARDA, que fica a mais ou menos 90kms de Lendinara, em direção a Verona
Lago de Garda (em italiano: Lago di Garda), chamado também Benaco, é o maior lago da Itália e localiza-se no norte do país entre as regiões de Lombardia (província de Bréscia), Vêneto (província de Verona) e Trentino-Alto Adige (província de Trento). Estende-se por uma área de cerca de 370 km² a uma altitude de 65 metros sobre o nível do mar. O lago possui cinco ilhas.
O norte do Lago de Garda foi parte da Áustria-Hungria até 1918.
Esse lago é famoso por suas competições de velas e windsurf, e pelas cidades que se formaram ao seu redor. 
Nessas cidades existem muitos castelos guardando um pouco do período medieval. Suas ruas são estreitas e feitas de pedra, o que dá o tom rústico, traduzindo esse período tão antigo que envolve a todos que passam por lá.  Hoje essas cidades vivem do turismo.
Na cidade de Malcesine, por exemplo, existe um castelo para visitação e que virou museu, onde várias salas são dedicadas a obras de Goethe


Para mim já começou sendo um belo passeio porque me deu a oportunidade de estar com filha e “filho” por agregação.  
Estacionamos o carro na primeira das muitas cidadezinhas que se formaram ao redor do lago. Todas elas pequenas, todas elas simpáticas, cheias de flores, sorveterias, lojinhas bem montadas. E um horizonte a perder de vista. E fomos andar na primeira cidade, LAZISE.que serve de padrão para as outras, porque é impossível parar em todas. Lazise fica entre Bardolino e Peschiera Del Garda e seu nome que deriva de “laceses”  lugar sobre o lago”. Há nela uma parte de origem medieval, do século XIV com um castelo, uma bela praça, um pequeno porto. Muitas lojas, restaurantes,café.
Um encanto de cidade, diferente dos lugares turísticos, pouca gente, horizontes  largos, flores, castelos.... Aqui está mostrado um pouco disso.              
Pedra e flores no castelo de Lazise


Na praça  de Lazise tomamos um belo “gelato” como só a Itália sabe fazer. Não tem nada igual. Além do sabor  precioso , a apresentação nas gelaterias é uma obra de arte. 


·       
            Igreja de São Nicolau

Neuza –Jurema e Oscar em Garda
                              
 Rodear o lago, nem pensar. Muitas horas, muitos dias. Nos contentamos em olhar a primeira cidade, dar uma subida em direção a outras e voltar para  ver Sirmione (ver mapa)

No caminho de volta paramos em uma espécie de “adega” de azeite e aceto balsâmico (vinagre). Junto com a fábrica tem sempre uma loja bem arrumada e na beira a estrada chama compradores. O próprio dono atende, faz experimentar o azeito extra, extra virgem e umas gotas do aceto.  Umas gotas quase me fizeram sufocar de vez porque forte como é provocou um tremendo engasgo. Assustei.   Fabrica e vende também macarrão especial colorido e queijos de fabricação própria.



E chegamos a Sirmione. Observe o mapa com a parte larga do Lago e veja detalhe de Sirmione como uma lingueta avançando pelo lago.

Sirmione é uma comuna italiana da região da Lombardia, província de Bréscia, com cerca de 6.353 habitantes. Estende-se por uma área de 33 km², tendo uma densidade populacional de 193 hab/km².).
Sirmione é uma  uma península longa e fina (100metros  de largura por 300 metros de comprimento) .ma língua de terra avançando pelo lago. É "cidade turística, de residência e de saúde conhecida  em todo o mundo.Sua fama se deve em grande parte, à beleza magnífica da paisagem com a sua aldeia medieval cercada por oliveiras e plantas mediterrânicas que são refletidas na água clara, e também a presença de tratamento térmico importante e o clima ameno.A cidade se desenvolveu ao longo da península, o castelo mais antigo e medieval e as ruas pitorescas, ficam no norte e é separada do continente por uma ponte que leva à porta de entrada.A última parte da península é formada por três morros e bem na pontão  Grotte di Catullo.A visita da vila é feito somente a pé,..


.                                                          
Maria Callas, nos anos 50 passou diversosperíodos de sua vida em Sirmionena vila do primeiro marido o empreendedor Giovan Battista Meneghini. Ela não escondia o prazer que lhe davam esses dias longe da vida mundana.  O Palazzo de Maria Cllas  ficana praça Carducci no centro histórico 

E a gentileza e atenção de Oscar e Jurema nos levaram até Sirmione. Um lugar diferente (veja os mapas). Andamos por lá, sentamos nas beiradas do lago, alimentamos patinhos.
Começamos a voltar. Não andei demais hoje e, portanto não estava muito dolorida. O que estava dolorida e cansada era a minha cabeça de tanto pensar no problema Roma. Eu não fazia a mínima questão de ir até Roma, só para dizer que tinha ido. Queria sim conhecer pelo menos a Capela Sistina e o Coliseu. Mas, nas atuais circunstancias com o dinheiro acabando e a perna doida, o custo benefício não compensava. Todas as contas feitas, todos os caminhos estudados e eu já tinha resolvido não ir.
Mas...........pensando e repensando e tornando a pensar, achei que com prioridades diferentes nunca íamos nos entender e nos aguardava uma situação pelo menos desconfortável. Que falta fazia Maria Inês com seu bom senso.

E então, contra toda a “minha” lógica, enfrentando problemas financeiros e de saúde, resolvi IR A ROMA!!!!!!! Como Jarlei não viria mesmo, não tínhamos um programa de turista. Eu tinha sim: ficar com Jurema e Oscar.

Resolvemos tudo, bem planejado:
Ida- saida de Lendinara ás 7h;chegada em Rovigo 7,30h; saída de Rovigo 8,18h;chegada em Roma 11,14 (trem rápido)
Volta – saída de Roma 18,15h;chegada em Bolonha 20,30h;saída de Bolonha 21,12h e chegada em Rovigo 21,18h (Oscar buscando)
Gastaríamos em um dia nós três, 630 euros = +ou- R$ 1500,00. Minha parte (naturalmente a da Jurema é por minha conta) R$1.000,00. Meio muito para mim em fim de viagem.
Ficaríamos em Roma sete horas.
Considerando o que já tínhamos  enfrentado de gente em Veneza e em Firenze, sabia bem o que me esperava.  Mas, tudo bem. Resolvido, resolvido.
Dormimos logo para levantar muito cedo. 

Nenhum comentário: