MINHA VIDA DE ESTUDANTE – DUVIDAS, INDECISõES

Terminado o colegial, a grande dúvida.

Que eu iria para as ciências Biologias já era ponto pacifico.

E aí, a decisão de uma carreira. Medicina? História Natural? História Natural era o curso que mais se aproximava da Medicina.

Medicina era difícil de se entrar. E eu tive medo? Insegurança? Desconhecimento? Não sei. Na época, a justificativa era que eu queria ser professora, mas de um setor mais adiantado da escola. Poderia trabalhar e ter uma família porque escolheria o quanto e onde trabalhar, compatibilizando vida pessoal e familiar com vida profissional.

Mas, sempre fui uma médica frustrada. Sempre estive ligada à Medicina em todos os seus aspectos. Cheguei mesmo a fazer em 1978 um curso de Instrumentação Cirúrgica quando estava próxima da aposentadoria, para poder ingressar no ambiente de medicina. Não decolei. Ficou na vontade.

Hoje, analisando melhor o assunto acho que não fiz Medicina por covardia mesmo.

Mil novecentos e quarenta e sete foi um ano de estudos, estudos, estudos. Terceiro científico, aulas pesadas pela manhã, tardes estudando, cursinho de duas horas no final da tarde. E finais de semana ajeitando os rolos e buracos da semana.

Algumas lembranças ficaram desse tempo:

- Tínhamos uma menina que ajudava nos serviços caseiros. E vendo como eu passava as tardes fechada em meu quarto estudando, o que para ela era estranho e ao mesmo tempo respeitoso, sempre fazia por sua vontade um lanche: era um queijo branco derretido com ovo e tomate. Ainda sinto o cheiro e o gosto. Repetido, não terá mais o sabor de mocidade.

- Na esquina da Rua São Joaquim com a Rua Galvão Bueno, parava num barzinho e aí tomava um Toddy quente, do qual nunca me esqueci. Tinha o sabor da expectativa, de maiores estudos, de exames próximos. Por mais Toddy que eu tome hoje, não recupero mais o sabor.

Cursinho com os mesmo professores do Científico. Prof. Ernestino e Max Gevertz.

Preparo para um vestibular que não era assustador e, pelo menos para mim era visto como uma continuidade de estudos. Nunca me preocupei mais do que o devido. Acho mesmo que não tinha consciência da responsabilidade. Era meio desligada.

Do exame vestibular lembro de uma pergunta:
qual a diferença entre Ariranha e peixe Boi. Eu nunca tinha ouvido falar em Ariranha e não respondi.

Acho que nas outras perguntas me sai bem porque passei.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUARESMEIRA OU MANACÁ DA SERRA?

UM DOMINGO NO MUSEU DA CASA BRASILEIRA

PAINEIRAS E MARITACAS