quinta-feira, 24 de julho de 2008

RETALHINHOS DO PASSADO



Em um dos cursos de julho, um prof. falou de Alvarenga e Ranchinho e logo a memória é ativada. Continuo dizendo que ela é infinita. Um flash e aí vem uma história.

Para a geração atual que não sabe, Alvarenga e Ranchinho foi uma dupla que cantava musica caipira e teve seu auge na década de 30. São famosas suas sátiras políticas o que os manteve até a década de 70. Muito requisitados durante as campanhas políticas, participaram de uma infinidade de filmes, programas de rádio, shows em cassinos...

Suas musicas não políticas se caracterizavam pela dramaticidade, tristezas de amor, e enredos trágicos.

Alvarenga e Ranchinho usavam sempre o traje caipira, camisa xadrez, chapéu de palha de aba curta e botas de cano curto. Usavam também a simplicidade do homem do campo, sem terem nascido na roça, sem jamais terem vivido na roça.

Mostravam na verdade, que a ingenuidade das anedotas, os improvisos um pouco mais apimentados, as sátiras políticas, as Modas de Viola e as canções de amor, expressavam o sentimento de um Brasil.

Uma de suas musicas mais conhecidas é "O Romance de uma Caveira" mas a mais inteligente (na minha opinião) é” Drama de Angélica” onde a musica nem é musica propriamente dita, mas um ritmo repetido e a letra é toda ela com frases terminando em palavras proparoxítonas , com ritmo que marca mais o tema.


Romance de Uma Caveira
- Alvarenga e Ranchinho
Composição: Alvarenga / Ranchinho / Flavio Salles

Eram duas caveiras que se amavam
E à meia-noite se encontravam
Pelo cemitério os dois passeavam
E juras de amor então trocavam.
Sentados os dois em riba da lousa fria
A caveira apaixonada assim dizia
Que pelo caveiro de amor morria
E ele de amores por ela vivia.
Ao longe uma coruja cantava alegre
Ao ver os dois caveiros assim felizes
E quando os dois se davam beijos funebres
A coruja batendo as asas, pedia bis
Mas um dia chegou de pé junto
Um cadáver novo de um defunto
E a caveira pr'ele se apaixonou
E o caveiro antigo abandonou.
O caveiro tomou uma bebedeira
E matou-se de um modo romanesco
Por causa dessa ingrata caveira
Que trocou ele por um defunto fresco.

Drama De Angélica - Alvarenga e Ranchinho
Composição: Alvarenga - M. G. Barreto
Ouve meu cântico
Quase sem ritmo
Que a voz de um tísico
Magro esquelético

Poesia épica,
Em forma esdrúxula
Feita sem métrica,
Com rima rápida

Amei Angélica,
Mulher anêmica
De cores pálidas
E gestos tímidos

Era maligna
E tinha ímpetos
De fazer cócegas
No meu esôfago

Em noite frígida,
Fomos ao Lírico
Ouvir o músico
Pianista célebre

Soprava o zéfiro,
Ventinho úmido
Então Angélica
Ficou asmática

Fomos ao médico
De muita clínica
Com muita prática
E preço módico

Depois do inquérito,
Descobre o clínico
O mal atávico,
Mal sifilítico

Mandou-me o célere,
Comprar noz vômica
E ácido cítrico
Para o seu fígado

O farmacêutico,
Mocinho estúpido,
Errou na fórmula,
Fez despropósito

Não tendo escrúpulo,
Deu-me sem rótulo
Ácido fênico
E ácido prússico

Corri mui lépido,
Mais de um quilômetro
Num bonde elétrico
De força múltipla

O dia cálido
Deixou-me tépido
Achei Angélica
Já toda trêmula

A terapêutica
Dose alopática,
Lhe dei uma xícara
De ferro ágate

Tomou no fôlego,
Triste e bucólica,
Esta estrambólica
Droga fatídica

Caiu no esôfago
Deixou-a lívida,
Dando-lhe cólica
E morte trágica

O pai de Angélica
Chefe do tráfego,
Homem carnívoro,
Ficou perplexo

Por ser estrábico
Usava óculos:
Um vidro côncavo,
Outro convexo

Morreu Angélica
De um modo lúgubre
Moléstia crônica
Levou-a ao túmulo

Foi feita a autópsia
Todos os médicos
Foram unânimes
No diagnóstico

Fiz-lhe um sarcófago,
Assaz artístico
Todo de mármore,
Da cor do ébano

E sobre o túmulo
Uma estatística,
Coisa metódica
Como Os Lusíadas

E numa lápide,
Paralelepípedo,
Pus esse dístico
Terno e simbólico:

"Cá jaz Angélica,
moça hiperbólica
beleza helênica,
morreu de cólica!"

Muito mais tarde Chico Buarque usou uma construção semelhante com proparoxítonas nas ultimas palavras de cada frase na musica “Construção”
Por meio de grande intensidade rítmica, com o final dos versos em proparoxítonas e trissílabas (recurso raro em língua portuguesa), numa cadência coerente ao tema, o texto dá belíssima imagem poética.

Construção
- Chico Buarque de Holanda

Amou daquela vez como se fosse a última
Amou daquela vez como se fosse o último
Amou daquela vez como se fosse máquina
Beijou sua mulher como se fosse a última
Beijou sua mulher como se fosse a única
Beijou sua mulher como se fosse lógico
Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
Ergueu no patamar quatro paredes mágicas
Ergueu no patamar quatro paredes flácidas
Sentou pra descansar como se fosse sábado
Sentou pra descansar como se fosse príncipe
Sentou pra descansar como se fosse pássaro
E flutuou no ar como se fosse pássaro
E flutuou no ar como se fosse sábado
E flutuou no ar como se fosse príncipe
E acabou no chão feito um pacote flácido
E acabou no chão feito um pacote tímido
E acabou no chão feito um pacote bêbado
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego
Morreu na contramão atrapalhando o público
Morreu na contramão atrapalhando o sábado

Comparações de musicas de "ante ontem" e de ontem.

Nenhum comentário: