terça-feira, 25 de janeiro de 2011

DECLARAÇÃO DE AMOR À SÃO PAULO


A cada ano gosto mais de São Paulo. Não há razão. E a cada ano repito minha declaração de amor á minha cidade, porque continua válida, embora escrita em 2004.

            DECLARAÇÃO DE AMOR À CIDADE DE SÃO PAULO

 - São Paulo é "minha" sim. É a cidade onde nasci, cresci, vivi e ainda vivo. Amo-a com paixão. Impossível identificá-la com simples palavras.  É brutal. É cosmopolita, é caleidoscópica, é espantosa, é dinâmica, é estranha, é vibrante, é violenta, é improvisadora, é contraditória, é ousada. Todas estas e muitas mais a identificam.
 - Alguém disse que São Paulo tem o charme de Paris, a cultura de Londres, a mistura de Nova York, o tamanho de Tóquio. Pode até ser, mas São Paulo é São Paulo, com sua própria identidade que é a soma de tudo isso: é grande, charmosa, culta, "multitudo".
 - Amo São Paulo pelos contrastes entre o belo e o feio, o bom e o ruim, o antigo e o moderno. De um lado, a segunda maior frota de helicópteros do mundo - depois de Tóquio, representando as elites. Do outro, entre 150 mil e 350 mil motoboys, que driblam o trânsito paralisado e fazem a cidade funcionar, representando a luta pela sobrevivência de uma minoria excluída.

 - Amo a São Paulo dos extremos. Enquanto há regiões em que o preço de um apartamento é de milhões, no Edifício São Vito, por exemplo, conhecido como uma favela vertical, o apartamento custa seis mil reais.
 - Amo seu visual caótico, com prédios de todos os tipos, tamanhos e cores; o vermelho, verde e amarelo dos sinaleiros nas esquinas; suas mil faces, brancas, amarelas, negras, mais ou menos "torradas"; seus veículos coloridos e roupas ainda mais.
 - Amo a mistura de sons de São Paulo: buzinas, carros barulhentos, sirenes, tá tá tá dos helicópteros, cantores anônimos mandando suas mensagens nas praças, pregadores das mais diversas religiões e crenças, vozerio confuso, palavras de ordem nas greves, pregões de ambulantes... Que dão vida à cidade.

 - Amo os cheiros de São Paulo: cheiros de gasolina, de álcool de escapamentos, de comidas em cada canto, de pastéis de feira, de perfumes baratos, desodorantes, cheiro de gente; cheiro das frutas do mercado misturando odores de cajus, maracujás, goiabas e resultando um cheiro único e especial; cheiro de pão fresco nas madrugadas, cheiro de café em cada esquina.

 - Amo as coisas estranhas da cidade. É a terra do café, mas seu principal viaduto é o Viaduto do Chá. Tem uma rua chamada Direita que não é tão direita assim. Tem uma Rua Formosa que é muito, muito feia. Tem uma Rua das Palmeiras que não tem sequer uma árvore, muito menos palmeiras.

 - Amo os sotaques de São Paulo, que tem uma língua própria, amálgama gerado no caldeirão de raças que aqui chegaram: o portunhol, o português macarrônico tão bem representado pro Juó Bananere, o nordestino dos recém migrantes.

 - Amo a sofisticação da cidade, que tem uma Avenida Berrini que concentra dinheiro e modernidade, uma Daslu que concentra o luxo, uma Paulista que é o cartão de visitas da cidade.
 - Amo a São Paulo multicultural e multirracial e sua aceitação incondicional e sem preconceito dos que chegam a ela.

 - Enfim, amo tudo de São Paulo. E por amor aceito suas qualidades e seus defeitos, suas vantagens e desvantagens. Quero escrever sobre ela, passar minhas emoções, compartilhar com outros que lhe dedique idêntico amor.

  - Mas, escrever sobre São Paulo é uma temeridade. É um teste de múltiplas escolhas. Do que escrever? Escrever sobre a São Paulo dos nossos sonhos? Sobre a cidade surpresa? Sobre a saudade de uma São Paulo de dantes? Sobre os sons, os sabores, a sofisticação, os sotaques da cidade?

 - Para quem escrever? Para aqueles que também amam São Paulo porque "Só quem ama é capaz de ouvir e entender estrelas", como disse o nosso Olavo Bilac
 - Como escrever? Com emoção, expressando sentimentos que "pegam" no dia-a-dia? Com objetividade, apenas narrando? Com orgulho de seu gigantismo, seu progresso? Com saudades, mas não saudosismo?

 - Não sei. Vou deixar, não "Ao Correr da Pena", como dizia José de Alencar ao escrever suas crônicas no século XIX, mas "Ao Correr do Teclado", neste século XXI. Vamos ver o que acontece.

2 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns por esse amor tao grande por uma cidade imensa em todos os sentidos.
Eu vivo muito longe de São Paulo, mas amo muito essa cidade como parte integrante da minha familia.
Gosto muito do teu blog que seguo saltariamente, muita saúde e cumprimentos pela tua força.

Isabel disse...

Olá,
Acabei de "descobrir" seu blog, e pelo que vi...vou ficar...se minha presença não a incomodar!!

Adorei seu texto, moro em Bauru, morei em sp qdo pequena e esta cidade me fascina, minha família não entende muito bem essa minha paixão, mas como dizem as coisas do coração não tem razão não é mesmo?

Se eu pudesse viajar no tempo, queria ver a São Paulo dos anos 30,40... a elegância desta época é maravilhosa!!

Puxa falei muito...mas ela (sp) realmente me empolga.

Até mais
bj

Isa