LIÇÃO DE CASA - UMA RESENHA

Livro escolhido:
MINHA PROFISSÃO É ANDAR - Pecci, João Carlos, 1942
São Paulo: Summus Editorial Ltda. 1980

O autor, João Carlos Pecci escreveu seu livro na primeira pessoa. É uma auto-biografia. Um livro real. João Carlos sofreu um acidente de carro na Via Dutra em 1968 fraturou a sexta vértebra cervical ficando paraplégico

O tema do livro é a Deficiência Física pessoal e de como foi enfrentada por ele. O autor escreve de maneira linear desde o momento do acidente – com ligeira “apresentação” dos preliminares, Paraplégico, escreve sobre os tempos de hospitalização, os desconfortos físicos e emocionais. O apoio da família, dos amigos, as primeiras manifestações de sexualidade na nova condição. A ida para casa e o doloroso processo de reabilitação.

O autor dá um depoimento sincero de sua situação e transmite a possibilidade de participar do mundo e não ficar segregado por conta de uma deficiência.

Texto coerente, profundo sem pretender ser.

Abrange um período de 1968 a 1977, quando aos 35 anos conheceu Marcia então com 17 anos. O grande amor da vida dos dois.

Continuação natural de “Minha Profissão é Andar” é “Velejando a Vida”

Neste livro ele continua a auto biografia agora tendo sua vida ligada à Marcia. Os primeiros problemas de relacionamento físico, o casamento e a luta para terem um filho. Depoimento sincero, detalhado e emocionante. Impossível não ler o capitulo 5 em voz alta.

Hoje João Carlos e Marcia têm uma filha Marina, com 12 anos.

Momento de poesia do livro “Minha Profissão é Andar
João Carlos Pecci

Completa-se uma fase e pensa-se que quase se conseguiu.
Quase: palavra esquisita.
O mesmo mundo que lhe cabe dentro, fica-lhe fora
A mesma alegria pelo conseguido é a tristeza do inatingido.
É o quase.
É a bola na trave. O grito de gol sufocado.
Quase!
É o desencontro.
Quase!
É a reprovação por meio ponto.
É a nuvem nos céus do nordeste, que continua como nuvem.
É o segundo lugar.
É o beijo... no rosto!
É o amor... nas coxas!
É o fio de vela solto na ultima volta do Grande Premio.
É o prematuro que não resiste.
São os 40% do mínimo salário.
São os doze pontos!
Quase! Quase: porta aberta para o tudo, e um declive para o nada.
O romântico na chuva.
A moça de tanga;
O ciúme, a briga, o telefone que toca... mas a voz é da tia!
Quase!
A derrapagem. Puxa! era só um pouco mais de atenção na curva...
A vértebra trincada.
Quase!
É o aparelho ortopédico

Esta "lição de casa" faz parte de um curso "Escrevivendo Resenhas" ministrado por Karen Kipnis
Eu estava quase andando...
Quase!
O imenso vácuo de cinco letras entre a esperança e a certeza.

Esta "lição de casa" faz parte do módulo , "Escrevivendo-Resenhas" ministrado por Karen Kipnis na Casa das Rosas aos sábados, das 10h às 13h. Novo módulo deve começar em Maio.

Comentários

Karen Kipnis disse…
Querida Neuzita, seria muito bom ao 'Escrevivendo' se pudesse contar aos leitores que sua Li�o de Casa e ensaio sobre livros est�o vinculados � nossa oficina(curso que faz aos s�bados, na Casa das Rosas, h� 2 anos), assim como o blog como um todo... comente um pouco sobre os m�dulos e as atividades propostas no Escrevivendo- nossa oficina de escrita e leitura, promete?
www.escrevivendoresenhas.blogspot.
com : este � o blog do atual m�dulo,mar�o/abril

Mais textos podem ser lidos em
www.escrevivente.blogspot.com

Beijos, parab�ns e vamos que vamos,
Karen Kipnis

Postagens mais visitadas deste blog

QUARESMEIRA OU MANACÁ DA SERRA?

UM DOMINGO NO MUSEU DA CASA BRASILEIRA

PAINEIRAS E MARITACAS