A TORRE DO BANESPA (PRIMEIRA PARTE)

Você já foi à Torre do Banespa? Não? Então vá.

As visitas acontecem todos os dias úteis das 10h às 17h. Só no mês do aniversário da cidade é que nos fins de semana está aberta à visitação pública.

A Torre é nos altos do que já foi a sede do Banco do Estado de São Paulo, na rua João Brícola, entre as ruas Boa Vista, Quinze de Novembro e Praça Antonio Prado. Chega-se lá facilmente pelo metrô descendo na estação São Bento.

Já começamos aí com um pouco da história de São Paulo.

A Rua João Brícola estava no centro financeiro da cidade na década de 30 e foi o lugar que o Banco do Estado de São Paulo escolheu para sua sede. Já havia estado no “centro novo” em um prédio em frente ao Teatro Municipal (depois abrigando o Mappin) ,mas longe do mundo do dinheiro. Fez uma troca com a Santa Casa de Misericórdia que ficou com o prédio da Praça Ramos de Azevedo (que até hoje é dela) cedendo seus terrenos da João Brícola.

O prédio começou a ser construído no final da década de 30 (1939), levou 8 anos sendo construído. Foi inaugurado em junho de 1947.

É todo em concreto armado, 17.951 metros quadrados construídos, tem 161,22 metros de altura, 35 andares.

Tem o privilégio de estar situado em um ponto alto do centro velho. Recebeu o nome de Edifício Altino Arantes em homenagem ao primeiro presidente brasileiro do banco.

Depois da privatização em 2000 quando passou para o grupo Santander-Banespa, deixou de ser sede bancária passando a instituição cultural com um Museu da Instituição e uma Biblioteca.

Ao seu lado hoje há o banco Santander em uma construção super moderna, toda em vidros pretos com heliporto balizado.

Conhecendo um pouco da história do edifício, procure a fila de entrada que pode ser pequena, média ou grande, dependendo do dia, da hora.

Documento na mão, enquanto espera para ser cadastrado e identificado, torça para que a fila esteja grande para poder admirar o belíssimo saguão.

Ele tem quase 400 metros quadrados, paredes de mármore de 16 metros de altura e piso de granito decorado com brasões de bronze. Muito belo é o seu grande lustre de cristal nacional em estilo decô-eclético com 13 metros de altura, 2 metros de diâmetro e dez mil peças de cristal pesando uma tonelada e meia.

Ainda no saguão, um grande painel com pinturas representando cenas do cotidiano de uma cidade de outros séculos, ocupa toda a largura da fachada.

A fila anda, você faz os procedimentos e............

VEJA O RESTO EM OUTRA POSTAGEM, NO FIM DA SEMANA



Comentários

Ronaldo Ferreira disse…
Fiquei admirado com sua entrevista na Ráio cbn parabéns pela disposição tu és modelo para os jovens deste pais inclusive para mim.

Postagens mais visitadas deste blog

QUARESMEIRA OU MANACÁ DA SERRA?

UM DOMINGO NO MUSEU DA CASA BRASILEIRA

PAINEIRAS E MARITACAS